Publicidade

Correio Braziliense

Secretaria de Educação recolhe almôndegas que seriam servidas a estudantes

Produtos apresentaram teor de gordura acima do estabelecido em contrato. Fornecedora deverá repor os alimentos


postado em 11/09/2019 22:19

O consumo das almôndegas estava suspenso desde 26 de agosto, quando algumas escolas perceberam o problema(foto: Mary Leal/Ascom/SEEDF)
O consumo das almôndegas estava suspenso desde 26 de agosto, quando algumas escolas perceberam o problema (foto: Mary Leal/Ascom/SEEDF)

A Secretaria de Educação anunciou nesta quarta-feira (11/9) que determinou o recolhimento imediato de almôndegas produzidas pela empresa JVC que seriam servidas aos estudantes da rede pública. De acordo com a pasta, laudos apontam que os produtos possuíam teor de gordura diferente do estabelecido em contrato.

Todas as regionais de ensino foram informadas do recolhimento. O consumo das almôndegas estava suspenso desde 26 de agosto, quando algumas escolas perceberam o problema. Pelo contrato, os alimentos poderiam ter, no máximo, 8% de gordura. Porém, os índices verificados ficaram entre 9,19% e 9,93%.

Segundo a Secretaria, foram entregues 52.700 kg de almôndega para 345 escolas, quantia suficiente para ser servida apenas uma vez em cada uma das unidades. A BH Foods — empresa responsável pelo fornecimento — deverá repor os alimentos, inclusive aqueles que já tiverem sido consumidos. 

A empresa também deverá, a partir de agora, apresentar laduos prévios à Secretaria. O fornecimento só será retomado depois de os novos lotes serem aprovados por uma comissão que ficará responsável pela análise.

A Secretaria afirma que ainda não havia realizado o pagamento dos lotes entregues. Por isso, não houve prejuízo. O contrato com a empresa prevê um fornecimento mensal de almôndegas bovinas, de 15g a 30g, ao longo dos próximos 12 meses para as 690 escolas da rede — embora, até o momento, apenas metade tenha recebido o produto. O valor do contrato é de R$ 7,2 milhões.

Os laudos que constataram os níveis de gordura superiores ao estabelecido em contrato forem entregues na última sexta-feira (6/9). Na segunda (9/9), a Secretaria notificou a BH Foods, que tinha até esta quarta para apresentar sua defesa. Pelo edital, a empresa pode receber punições que vão desde advertência a aplicação de multa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade