Publicidade

Correio Braziliense

Com música e homenagens, Hospital de Base comemora 59 anos

Evento contou com a apresentação da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro


postado em 12/09/2019 16:18 / atualizado em 12/09/2019 16:53

Regida pelo maestro Claudio Cohen, Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional se apresenta em evento de 59 anos do Hospital de Base(foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)
Regida pelo maestro Claudio Cohen, Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional se apresenta em evento de 59 anos do Hospital de Base (foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)
Ao som de trilhas sonoras famosas do cinema internacional e música clássica, o Hospital de Base do Distrito Federal comemorou 59 anos nesta quinta-feira (12/9). Para celebrar a data, a unidade de saúde recebeu uma apresentação da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, ao ar livre, regida pelo maestro Claudio Cohen. A cerimônia e apresentações ocorreram no jardim do instituto e reuniram profissionais da saúde, pacientes e pessoas que passavam pela região.

A iniciativa é uma parceria da Secretaria de Cultura com a Secretaria de Saúde, que realizou apresentações da orquestra no Base e em outros hospitais em 2018. Para as pastas, a música clássica auxilia no bem-estar dos pacientes. Cristina Carvalho, 45, integrante da orquestra, acha gratificante tocar em hospitais. "As pessoas se emocionam, fazem pedidos. É uma experiência muito boa porque dentro da nossa área de trabalho podemos oferecer um pouco de solidariedade", disse.

O trompista Fernando Morais, 53 anos, vê as apresentações como uma forma de levar "um alento e carinho" para os pacientes. "É legal não só para os pacientes, mas também para toda a comunidade do hospital, médicos, enfermeiros", acrescentou. 
 
 
Há 19 anos em Brasília, o trompista Fernando Morais acha gratificante fazer parte das apresentações da orquestra em hospitais da cidade(foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)
Há 19 anos em Brasília, o trompista Fernando Morais acha gratificante fazer parte das apresentações da orquestra em hospitais da cidade (foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)

Paciente do Hospital de Base há 45 dias, o aposentado Ricardo Ramos, 70 anos, estava presente na data da inauguração da instituição. "Aos 11 anos de idade eu estava com meu pai e ao lado do presidente Juscelino Kubitschek inaugurando esse hospital", lembrou, com afeto.

Emocionado, Ricardo conta que seu pai foi o chefe do departamento de compras da unidade. "Eu tenho um orgulho enorme de ter acompanhado essa etapa da construção de Brasília". Ele ressalta que preferia comemorar a data sem estar como paciente da instituição, mas ainda assim se sente grato."Só tenho a agradecer pelo o fato de estar aqui hoje, recebendo o tratamento do corpo clínico, que é o melhor de Brasília. Me sinto privilegiado", declarou. Ele está internado devido a um infarto. 

O morador da Asa Sul, destacou ainda a atuação do ex-presidente JK para a construção do Base. Lembrado no evento, Juscelino completaria 117 anos nesta quinta-feira (12/9).

Francisco Araújo, diretor-presidente do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF, destacou a importância do Hospital de Base para a rede de saúde local. "Toda pessoa do Distrito Federal pobre ou rica  que sofre um acidente vem para cá", afirmou. Para ele, a data é uma realização pessoal e profissional. "Só da gente comemorar 59 anos com o hospital bem cuidado, com equipe profissional completa e com uma integração com os voluntários é motivo de muita alegria e festa".

De janeiro a agosto deste ano o Hospital de Base realizou 7 mil cirurgias e mais de um milhão de procedimentos ambulatoriais. Em 2019, o Base reativou um andar inteiro, que conta com 26 leitos.

Justa homenagem

A programação do aniversário do hospital incluiu a entrega de placas as instituições voluntárias e a inauguração da Casa Rosa, um novo espaço destinado ao uso da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Brasília. A organização de voluntariado é responsável por doar 400 lanches diariamente a pacientes e acompanhantes. 

Voluntária há 31 anos, Vera Lúcia Bezerra, coordenadora da rede e presidente do Conselho Gestor do Hospital de Base, considera a instituição sinônimo de amor. "É um hospital apaixonante. Tem muito problemas? Tem. Mas tem muitos desafios e muitas vidas sendo salvas aqui".

Além da rede feminina, outros três grupos prestam serviços ao Base: Movimento de Apoio ao Câncer (MAC), Serviço Auxiliar Voluntário (SAV) e Associação Amigos do Hospital de Base, que totalizam mais de 600 voluntários. "É uma corrente de pessoas que  juntas fazem o hospital ser esse fenômeno de acolhimento e de humanização", completou Vera Lúcia.

Presente na cerimônia, o vice-governador do DF, Paco Britto, parabenizou os colaboradores do HB pelo serviço prestado à população. Compareceram também ao evento o secretário de Assistência à Saúde do Ministério da Saúde, Francisco Figueiredo, e o secretário de Saúde do DF, Osnei Okumoto.

Após a apresentação, os integrantes da orquestra se dividiram em duplas, trios e quartetos instrumentais, percorrendo os ambulatórios, Unidades de Pronto Atendimento (UTIs) e áreas de internação.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade