Publicidade

Correio Braziliense

Associação de magistrados emite carta repudiando briga de advogado e juíza

Caso ocorreu na última terça-feira (10/9), em Ceilândia


postado em 13/09/2019 00:32

Após receber voz de prisão, advogado foi cercado por seguranças do TJDFT(foto: Arquivo pessoal)
Após receber voz de prisão, advogado foi cercado por seguranças do TJDFT (foto: Arquivo pessoal)
Uma briga entre uma juíza e um advogado na última terça-feira (12/9), no 3º Juizado Especial Cível — em Ceilândia, gerou repercussão e até uma nota pública da Associação dos Magistrados do Distrito Federal (Amagis). A entidade reforçou o respeito entre juízes, promotores e advogados e repudiou a confusão.

Ainda segundo o documento assinado por Fabio Francisco Esteves, presidente da Amagis, a participação de um membro da OAB — na intervenção da briga — é negada. 

Leia na íntegra:

A Amagis (Associação dos Magistrados do Distrito Federal), entidade que representa mais de 430 magistrados, entre juízes e desembargadores, ativos e aposentados, vem a público reafirmar que preza pelo recíproco respeito entre juízes, promotores e advogados.

Salienta que as irresignações contra as decisões judiciais devem ser canalizadas nos meios processuais cabíveis e não serem motivações para agressões em desfavor dos julgadores.

No que se refere ao episódio ocorrido no 3º Juizado Especial Cível de Ceilândia, na última terça-feira, a Amagis vem esclarecer que, ao contrário do que diz a nota emitida pela Subseção da OAB de Ceilândia, foi determinada a retirada do advogado da sala de audiências porque não só faltou com todo o decoro e respeito necessário para o exercício da sua função naquela ocasião, como violou a legislação penal, ao invés de se utilizar dos instrumentos processuais adequados para seus protestos.

Por fim, o não uso de algemas ocorreu por determinação da juíza, em que pese o estado alterado e periclitante do advogado, em respeito à lei, e não por intervenção de membro da OAB.

A AMAGIS repudia o episódio e continuará intransigente na defesa dos valiosos magistrados que coíbam abusos para, com imparcialidade e igualdade, garantir os direitos das partes.

 Fabio Francisco Esteves
Presidente da Amagis/DF

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade