Publicidade

Correio Braziliense

Brasil precisa construir uma alternativa de centro democrático, diz Reguffe

Senador disse que o país precisa avaliar pontos positivos e negativos de cada governo. Reguffe ainda defendeu a Lava Jato, criticou a política ambiental de Bolsonaro e disse que Reforma da Previdência precisa ser realizada, mas com mudanças no texto


postado em 16/09/2019 15:55 / atualizado em 16/09/2019 17:18

Reguffe comentou pautas como a reforma da Previdência, Operação Lava Jato, política ambiental de Bolsonaro e erros e acertos de Ibaneis(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press )
Reguffe comentou pautas como a reforma da Previdência, Operação Lava Jato, política ambiental de Bolsonaro e erros e acertos de Ibaneis (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press )
 
José Antônio Reguffe, senador do Distrito Federal pelo Podemos, acredita que o Brasil precisa pensar em alternativas de centro democrático. Criticando extremos polarizados, ele opinou sobre o cenário político atual do país e da capital em entrevista ao programa CB.Poder, parceria do Correio com a TV Brasília. “Acredito que temos que ter a ideologia do bom senso. Eu mesmo defendo um Estado menor, mais eficiente e liberal na economia, mas sei que temos desigualdades sociais e precisamos investir em políticas públicas para mudar isso”, exemplificou. 

O atual senador ficou sem partido durante três anos, mas anunciou a filiação ao Podemos na última semana. Para ele, não há um partido ideal, mas na sigla há uma alternativa para a construção do centro democrático. “Temos que ter uma visão equilibrada, pensando no cidadão, apoiando o que estiver bom e criticando o que está errado no governo. O Brasil precisa construir uma alternativa de centro, mas não do centrão, e sim um centro democrático”, definiu. Colocando o discurso em prática, ele aproveitou para citar aspectos que considera positivos e negativos na presidência de Jair Bolsonaro e no governo de Ibaneis Rocha.

“Apesar de reconhecer que o país tomou atitudes positivas na área da economia, vejo a política ambiental que está sendo tomada como desastrosa, por exemplo. Também posso adiantar que meu voto quanto a indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada do Brasil nos Estados Unidos será contrário, pois acredito que esse cargo deve ser ocupado por um membro da carreira de Estado de diplomacia”. Quanto ao DF, Reguffe elogiou a aberturas de delegacias 24 horas e obras em cidades carentes, mas criticou a situação da saúde e o que considerou um inchaço no governo, com muitos cargos.

Previdência e Lava-Jato

O senador também foi questionado sobre polêmicas recentes que estão em pauta entre parlamentares, como a Reforma da Previdência e a CPI da Vaza Jato. “O Brasil precisa de mudanças na Previdência, porque há um déficit, mas o texto precisa ser revisto e vou apresentar sete emendas”, disse. Sobre o vazamento de conversas de autoridades envolvidas na Lava Jato, ele primeiro condenou a invasão aos celulares. “A Lava Jato foi a melhor coisa que aconteceu no país nos últimos tempos, quem não gosta dela são poderosos do Congresso que querem proteger interesses. Mas, se tiver ocorrido algum erro, isso também precisa ser punido, sem atacar a operação em si”, concluiu. 
 
Assista à íntegra da entrevista:
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade