Publicidade

Correio Braziliense

Obra em viaduto da EPTG complica trânsito próximo a Águas Claras

Dentro da região administrativa, o tráfego segue lento. Nas avenidas das Castanheiras, Jequitibá e Araucárias, os veículos seguem a menos de 10km/h, segundo aplicativos de geolocalização


postado em 21/09/2019 13:55 / atualizado em 21/09/2019 14:03

O trecho foi interditado nesta manhã e deve ser liberado até às 6h deste domingo (22/9)(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
O trecho foi interditado nesta manhã e deve ser liberado até às 6h deste domingo (22/9) (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
 
Motoristas que tentam acessar Águas Claras, neste sábado (21/9), enfrentam congestionamentos. Obras de concretagem do pavimento interditam completamente o viaduto de ligação entre a Estrada Parque Taguatinga (EPTG) e a Estrada Parque Contorno (EPTC), causando lentidão no trânsito. O trecho foi bloqueado nesta manhã e deve ser liberado até as 6h de domingo (22/9).  

Aplicativos de geolocalização mostram que a entrada da cidade pela Estrada Parque Vicente Pires (EPVP) está congestionada. Além disso, o tráfego segue intenso dentro da cidade. Nas avenidas das Castanheiras, Jequitibá e Araucárias, os veículos seguem a menos de 10km/h.  

Próximo à Colônia Agrícola Samambaia, o trânsito também está complicado. A Secretaria de Obras orienta os motoristas a usar trechos alternativos para tentar fugir dos engarrafamentos. Quem trafegar no sentido Pistão Norte/Pistão Sul deverá se deslocar pela Avenida das Palmeiras, pegar a Avenida Comercial Norte e, em seguida, acessar a alça do Setor Hoteleiro. Quem trafega no sentido contrário, Pistão Sul/Pistão norte, deverá seguir pela alça de acesso da EPTG, encaminhar-se para a via marginal e se dirigir até a rotatória do DF Century Plaza. 

Por causa da obra, as faixas exclusivas da EPTG — a partir do viaduto de entroncamento com Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia) até o viaduto de Taguatinga — liberadas para a passagem de veículos nos finais de semana, serão destinadas, exclusivamente, para o trânsito de ônibus e dos caminhões usados no serviços. No processo serão utilizados 180 caminhões betoneira com capacidades máxima, o que representa cerca de dois mil metros cúbicos de concreto. 

Alargamento  

As obras de alargamento do viaduto foram retomadas em junho. Atualmente, os dois viadutos têm 60 metros de extensão, sendo três faixas em cada sentido, totalizando 20 metros de largura. 

Após a conclusão dos serviços, as estruturas serão unificadas e passarão a ter 41,80 metros de largura. Serão 11 faixas para a circulação de veículos, sendo cinco no sentido Plano Piloto e quatro no sentido Taguatinga, além de duas faixas centrais para ônibus, com largura de quatro metros. 

"A conclusão do alargamento do viaduto vai desafogar o trânsito para os mais de 135 mil veículos que trafegam diariamente por esse trecho", informa o secretário de Obras do DF, Izídio Santos. "Esta é apenas uma das obras para melhorar o trânsito de Taguatinga. Outras estão previstas para sair do papel", disse. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade