Publicidade

Correio Braziliense

'Ele era uma pessoa especial', dizem fiéis sobre padre vítima de latrocínio

Kazimierz Wojno, 71 anos, mais conhecido como Casemiro, foi assassinado na noite de sábado (21/9), após um assalto na igreja


postado em 22/09/2019 11:02 / atualizado em 22/09/2019 11:08

Fiéis passam pela igreja Nossa Senhora da Saúde, na 702 Norte, e lamentam morte do padre(foto: Emilly Behnke/CB/D.A. Press)
Fiéis passam pela igreja Nossa Senhora da Saúde, na 702 Norte, e lamentam morte do padre (foto: Emilly Behnke/CB/D.A. Press)
Dezenas de fiéis foram à paróquia Nossa Senhora da Saúde, na 702 Norte, na manhã deste domingo (22/9). Eles se emocionaram e lamentaram a morte do padre da comunidade, Kazimierz Wojno, 71 anos, mais conhecido como Casemiro. Ele foi assassinado na noite de sábado (21/9), após um assalto na igreja. A Polícia Civil suspeita que quatro homens tenham participado do crime

A pedagoga Márcia Phillipi, 56, só soube do ocorrido nesta manhã. Ela frequentou a paróquia por cerca de 20 anos antes de se mudar para o Noroeste. Neste domingo, fez questão de passar pelo local e lembrar-se de momentos com o religioso. "Ele fez a primeira comunhão dos meus filhos. Depois fez o casamento do meu filho. O padre Casemiro representou essa formação espiritual da nossa família", disse. “"A gente tinha uma relação de carinho com ele porque ele era uma pessoa especial. Ficamos chocados. Ele fez e faz parte da nossa vida. Quase todos os domingos a gente vem para cá", completou. 
 
 

A servidora pública Patrícia Raindo, 44 anos, é catequista da paróquia e amiga do padre. Ela conta que a segurança já era uma preocupação do religioso. "Ele estava arrecadando dinheiro para melhorar a segurança da igreja. Depois do último, arrombamento ele reforçou as portas", conta. Muito emocionada, ela conta que conhece o padre desde a infância. "Meu pai construiu essa igreja junto com o padre Casemiro. Frequento essa igreja desde menina", diz. 

O aposentado Tarcísio Lima, 69, comentou a personalidade do padre. Segundo ele, Kazimierz era muito combativo e trabalhava com afinco para melhorias da paróquia e se esforçava para que aumentar a segurança da região. “Tem 38 anos que eu o conheço e ele sempre combateu a bandidagem. Ele era um cara forte. Tudo isso aqui ele que fez (em referência às instalações da paróquia). Você chegava aqui e ele estava com uma enxada na mão fazendo as coisas", lembrou.
 
Tristeza
 
Em nota, a Arquidiocese de Brasília lamentou a morte do padre Casemiro e informou acompanhar o caso. De acordo com a entidade, o religioso tem 46 anos de sacerdócio. "Convidamos a todos para participarem do velório e da missa e exéquias na Paróquia N. Sra. da Saúde, em horários a serem divulgados tão logo possível", frisou o texto. 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade