Publicidade

Correio Braziliense

Comovidos, fiéis se despedem do padre Casemiro em velório na Asa Norte

O padre Casemiro foi vítima de latrocínio na noite do último sábado (21/9), na Asa Norte. Nenhum suspeito foi preso


postado em 23/09/2019 09:28 / atualizado em 23/09/2019 17:26

Velório do padre Casemiro na Paróquia Nossa Senhora da Saúde, na Asa Norte(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
Velório do padre Casemiro na Paróquia Nossa Senhora da Saúde, na Asa Norte (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
Fiéis se reúnem na manhã desta segunda-feira, (23/9), para se despedir do padre polonês Kazimierz Wojno, 71 anos, vítima de latrocínio na noite do último sábado (21/9). O corpo de Casemiro, como era conhecido, chegou na Paróquia Nossa Senhora da Saúde, na 702 Norte, por volta das 8h. O velório começou ao som de várias orações entoadas por frequentadores da igreja. 

A todo momento chegam mais pessoas no local. Com lágrimas, fiéis se aproximam do caixão para dar o último adeus ao padre que morreu de forma brutal.

Às 10h, será a primeira missa. Às 14h, outra celebração será presidida por Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília. O corpo sairá do local às 16h e o sepultamento ocorre a partir das 16h30 no cemitério Campo da Esperança, da Asa Sul. 
 
Ver galeria . 26 Fotos Ana Rayssa/CB/D.A Press
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press )
 

Para a secretaria paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Assunção, em Águas Claras, Maria Aparecida da Cunha, 48 anos, o sentimento nesta manhã é de muita tristeza. "Ver as marcas do arame farpado no pescoço dele foi o que mais me doeu. É triste ver a maldade do ser humano. Ele era um exemplo. Morreu por aquilo que acreditava. Tivemos um tesouro em vida e que viveu para a obra de Deus", disse.

"Ele era um exemplo. Morreu por aquilo que acreditava" (Maria Aparecida da Cunha) (foto: Caroline Cintra/Esp CB/D.A Press)


O policial militar Sérgio Sinésio, 43, não conheceu o padre Casemiro, mas saiu cedo de casa, em Ceilândia, para prestar homenagem. "Quando soube do que aconteceu me deu um sentimento de revolta mesmo, de impotência. Não tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente, mas sei que era uma pessoa pacífica, que sempre procurou ajudar o próximo. Estive aqui (na paróquia) participando de um casamento e o clima era de paz, alegria. Hoje, é de muita tristeza. Não podia deixar de dar o apoio". 

"Hoje é de muita tristeza" (Sérgio Sinésio) (foto: Caroline Cintra/Esp CB/D.A Press)


Moradora da Asa Norte, a administradora Juscelia Luisa de Oliveira, 55, afirmou que a cidade está "cada vez mais violenta". Ela frequentou algumas missas celebradas pelo padre. "Uma voz mansa, tranquila. Muita paz no jeito de falar, de se expressar. Um ser humano abençoado", declarou. 

Segurança 

O governador Ibaneis Rocha (MDB) chegou minutos antes do início da primeira missa. Ele disse que a morte do padre Casemiro é uma tragédia para o DF, principalmente para a comunidade religiosa. Ele ressaltou que o governo tem se esforçado, junto à polícia, para chegar aos autores do crime. "Infelizmente, a insegurança está muito grande. Já conversei com o secretário (de Segurança) para reforçarmos a segurança, não só nas igrejas, mas em todas as regiões do DF", afirmou.

O chefe do Executivo local informou que os índices de violência têm caído na capital, no entanto, não tem refletido na sensação de Segurança. "Acho que temos que trabalhar mais ainda, não podemos afrouxar nesse tipo de situação. Desejo à família e todos os párocos que estiveram aqui, Dom Sérgio e toda a comunidade religiosa que rezem muito por paz. E que o padre Casemiro seja um exemplo na cidade de dedicação, de trabalho, construiu a igreja, sempre acompanhou seus fiéis. Para nós é um sentimento de muita tristeza", disse.

Como medida para combater a violência nas igrejas, Ibaneis disse que vai colocar mais viaturas para acompanhar os horários de entrada e saída das missas. "Nós temos mesmo que aumentar o efetivo da polícia no Distrito Federal. Estou com a academia lotada, com 750 policiais em treinamento. Eles saem para as ruas a partir de janeiro e depois colocamos outra turma com mais 750. Quero manter esse ritmo até a gente recompor o efetivo da Polícia Militar do DF e da Civil também. Só aí as pessoas vão ter sensação de segurança maior", ressaltou.


(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
 
 

Solenidade 

Às 10h, começou a celebração, dirigida pelo padre Júlio César, coordenador do clero. Em sua fala, disse que "os inimigos de Deus estão tentando contra a vida dos fiéis e que a sociedade clama por paz". Durante a missa, foi possível ouvir choros contidos e muitas orações. Enquanto louvores eram entoados, muitos aproveitaram o momento para se ajoelhar e manter a cabeça baixa, em forma de reflexão. Como a psicóloga e catequista Morgana Bornes, 56. Ela frequenta a paróquia há 12 anos. 

"Sempre que pude ajudei aqui. Agora, o momento é de refletir. Como esse lugar se tornou alvo? Porque o padre foi vítima? É preciso reforçar a segurança aqui. Às vezes saímos tarde daqui, de alguma atividade. Poderia ter, ao menos, um carro de polícia aqui para vigiar nossa saída", sugeriu.
 
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
 

O caseiro José Gonzaga da Costa, 39, chegou na paróquia e se aproximou do caixão. Emocionado, ficou por poucos segundos e, em seguida, saiu do templo sem falar com a imprensa. Ele foi encontrado amarrado no local e conseguiu pedir socorro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade