Publicidade

Correio Braziliense

Menino de 10 anos leva tesourada de colega após briga por lápis

O caso ocorreu na manhã desta terça-feira (8/10), no Centro de Ensino Fundamental 01 do Planalto, na Asa Sul


postado em 08/10/2019 21:25 / atualizado em 08/10/2019 21:26

O menino de 10 anos levou uma tesourada na escola(foto: Arquivo Pessoal)
O menino de 10 anos levou uma tesourada na escola (foto: Arquivo Pessoal)

Um menino de 10 anos precisou ser levado ao hospital após levar uma tesourada nas costas de um colega de classe. O caso ocorreu na manhã desta terça-feira (8/10), no Centro de Ensino Fundamental 01 do Planalto, na Asa Sul. A mãe da vítima, de 30 anos, relata que o garoto sofreu ao menos duas agressões neste ano, quando foi transferido para a instituição. A Secretaria de Educação garante estar investigando o incidente. 

 

Segundo a mãe da criança, a agressão ocorreu depois de um desentendimento com outro estudante. "Meu filho disse que o colega pegou um lápis dele e que não conseguiu muita atenção da professora para resolver a situação. Por isso, ele resolveu tirar satisfação com o outro garoto e tomou o objeto de volta. Quando ele se virou para sentar novamente na cadeira, levou a tesourada", relata. 

 

A mulher recebeu a ligação da escola e saiu do emprego, em uma floricultura, para ir ao local. Ao chegar na escola, encontrou o menino acompanhado por uma professora de outra turma. "Não havia nenhum responsável pela instituição lá. Nem a diretora, ou o vice-diretor ou até mesmo a coordenadora. Não consegui, sequer, encontrar a professora do meu filho", afirma. "Mas, naquele momento, o que mais me desesperou foi o fato do meu filho ter sido atacado e ninguém ter acionado o socorro. Toda a situação mostrou uma negligência generalizada", acrescenta a vendedora. 

 

O menino foi levado pela mãe ao Hospital de Base, onde realizou um raio-x. O médico também limpou o ferimento, fez um curativo e deu três dias de atestado para a criança. "O corte foi pouco fundo e, graças a Deus, nada pior ocorreu. Mas o tamanho do ferimento não diminui a gravidade da situação e a falta de organização da escola. Nós, pais, deixamos nossos filhos em uma escola esperando que eles aprendam em segurança. Não para que sejam feridos desse modo", pontua.  

 

"Este é o terceiro episódio problemático que meu filho sofre. O primeiro, foi agredido por colegas. Depois, voltou com a mochila rasgada. Agora, este ataque. Meu menino não é um anjo, toda criança nessa idade dá trabalho, mas onde está a organização e o zelo por parte dos profissionais da escola?", questiona. "Isso foi demais. Meu filho está assustado, com medo, não quer falar sobre o que está passando. A única saída, agora, é mudá-lo de escola", completa a mãe. 

 

Ela esclarece que o filho teve de ser transferido para o Centro de Ensino Fundamental 01 do Planalto neste ano porque, onde ele estudava antes, não havia turmas do 5º ano no turno matutino. "Só havia classe à tarde, mas ia na contramão do meu horário de trabalho. Saio cedo e levo meus filhos para a aula. Contudo, com uma agressão dessas, isso fica em segundo plano. Só não quero que o que ocorreu fique impune."

 

A mulher garante que irá nesta quarta-feira (9/10) até a 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), onde registrará um boletim de ocorrência. "Já conversei por telefone com a diretora e avisei que procuraria a polícia e o Conselho Tutelar para relatar o que está ocorrendo na escola. Não quero que algo parecido ocorra com outra criança", conclui. 

 

Em nota oficial, a Secretaria de Educação informou que "a Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto apura o caso. "A direção da escola, os professores, as crianças envolvidas no incidente e os pais também serão ouvidos", afirma a pasta.

 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade