Publicidade

Correio Braziliense

Acusados de participação em assassinato de diretora do HRT são condenados

Samuel Pereira de Araújo e Wallace Gonçalves da Silva foram condenados por participação no latrocínio da médica Gabriela Rabelo Miquelino Cunha, ocorrido em outubro de 2018. Eles ajudaram o motorista Rafael Henrique Dutra a cometer o crime


postado em 10/10/2019 09:53 / atualizado em 10/10/2019 09:53

Dupla de comparsas foi presa em março(foto: Walder Galvão/CB/D.A Press)
Dupla de comparsas foi presa em março (foto: Walder Galvão/CB/D.A Press)
O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) acatou denúncia do Ministério Público e condenou dois homens acusados de participar do latrocínio que vitimou a médica Gabriela Rabelo Miquelino Cunha, 44 anos, diretora do Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Samuel Pereira de Araújo e Wallace Gonçalves da Silva devem cumprir, somadas as penas, 27 anos de prisão.

Samuel foi o que mais se envolveu no crime. O juiz fixou a pena dele em 21 anos de reclusão, em regime fechado, além de multa. Wallace foi condenado a 6 anos e 2 meses de reclusão, também em regime fechado e com multa. 

Gabriela foi assassinada em outubro de 2018, pelo motorista particular Rafael Henrique Dutra da Silva, que, em junho, foi condenado a 31 anos e 6 meses de reclusão em regime fechado. Os dois comparsas de Rafael, Samuel e Wallace, foram acusados de ajudar no crime, roubando o carro da vítima, deixando o corpo às margens do Parque Nacional e sacando dinheiro da mulher assassinada.

Relembre

A médica Gabriela Rabelo Miquelino Cunha, diretora do HRT, foi assassinada em 24 de outubro de 2018, mas a morte só foi descoberta meses depois. Rafael Henrique era motorista de Gabriela e teve ajuda de Wallace para simular um assalto ao veículo com a vítima dentro do carro. Chegando a uma estrada de chão, a médica foi enforcada, e o corpo, deixado no local.

Durante dois meses, Rafael manteve contato com a família pelo WhatsApp da médica, fazendo-se passar por ela. Ele enviava mensagens aos familiares dizendo que ela estaria internada em uma clínica para tratar problemas pessoais e retornaria apenas no Natal. O acusado foi preso em 30 de janeiro de 2019.

Em maio deste ano, agentes da Divisão de Sequestros da Polícia Civil (DRA) prenderam mais dois acusados de participar do assassinato, Samuel e Wallace. Aos investigadores, eles contaram que não sabiam que o motorista iria matar a médica, pensaram apenas que iriam roubar o veículo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade