Publicidade

Correio Braziliense

Homem mata ex-mulher com três tiros em Planaltina de Goiás

O suspeito cometeu o crime na frente da filha do casal, de 18 anos. À polícia, ele disse que a intenção era matar o namorado da ex-mulher


postado em 14/10/2019 15:52 / atualizado em 14/10/2019 15:54

(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
Um homem de 41 anos foi preso suspeito de matar a ex-mulher com três tiros em Planaltina de Goiás. Segundo a polícia goiana, Reginaldo Pereira da Silva, 41, não aceitava o fim do casamento de 23 anos com Érica Sousa de França, 41. Eles estavam separados há quase 1 ano, mas o homem insistia na continuidade do relacionamento. Eles tinham três filhos juntos. 

O crime aconteceu na tarde do último domingo (14/10). O delegado-titular da delegacia de Planaltina de Goiás, Cristiomário Medeiros, contou que a servidora pública estava em casa com o namorado e uma das filhas, de 18 anos, quando o vigilante chegou arrombando a porta e armado.

Quando ele começou a ameaçar Érica e o namorado, a jovem entrou na frente para defender a mãe. "Ele chegou a ameaçar a própria filha. Disse que atiraria nela também, se continuasse na frente. Ela saiu e logo o Reginaldo começou a discutir com a ex-mulher e atirou três vezes nela. Um dos tiros pegou no rosto da vítima", contou o delegado.

Assim que viu a cena, para se defender, o namorado da vítima entrou no quarto, trancou a porta e conseguiu escapar do suspeito. "A polícia foi acionada e Reginaldo tentou fugir a caminho da própria casa. Ele ainda disparou algumas vezes em direção à viatura policial e entrou na casa", disse Cristiomário.

Após quase três horas de negociação com a polícia, Reginaldo acabou se rendendo e foi preso. Durante o depoimento, ele disse ao delegado que  a intenção era matar o namorado da ex-mulher, não ela. Além disso, afirmou que toma remédio controlado e, para "ter coragem de matar” ficou quatro dias sem o medicamento.

A polícia investiga se o suspeito já ameaçava a ex-mulher anteriormente. "Procuramos no sistema, mas não constava nenhum registro. A filha do casal, que presenciou tudo, veio aqui e, muito abalada, contou todos os detalhes. O caso é investigado como feminicídio", afirmou o delegado.

Caso seja condenado, Reginaldo pode pegar entre 34 e 35 anos de prisão, por feminicídio, disparo com arma de fogo e ameaça.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade