Publicidade

Correio Braziliense

VÍDEO: Criança é flagrada pilotando jet ski em meio a banhistas no lago

De tão pequeno, o menino nem mesmo era capaz de pilotar o jet ski sentado. A prática exige habilitação e só é permitida para maiores de 18 anos


postado em 14/10/2019 16:30 / atualizado em 14/10/2019 17:27

A criança pilotava sozinha o jet ski em meio a outros banhistas(foto: Reprodução)
A criança pilotava sozinha o jet ski em meio a outros banhistas (foto: Reprodução)
Sem sequer conseguir alcançar o guidom e manter-se sentada ao mesmo tempo, uma criança conduzia sozinha um jet ski próximo às margens do Lago Paranoá, em área usada para a prática de SUP, na tarde de domingo (13/10). Segundo testemunhas, que filmaram a cena, os responsáveis observavam a ação sem perceber o risco que o menino e demais banhistas corriam (veja vídeo abaixo).



"Era uma criança muito pequena e que transitava em meio aos banhistas, pessoas que praticavam esportes. Além de não ter idade nem tamanho, acelerava antes da boia que indica a permissão para esses veículos circularem com segurança", contou uma das testemunhas, que pediu para não ser identificada.

Para pilotar uma moto aquática, assim como uma lancha, é obrigatório ter uma habilitação, conhecida como arrais. Para tirá-la, a pessoa precisa ter mais de 18 anos e passar por exames escrito e prático. O não cumprimento da norma pode acarretar autuação, ficando o infrator sujeito a detenção e apreensão do veículo e da carteira do responsável.

Delito grave

Ao perceber que adultos haviam deixado a criança conduzir o jet ski sozinha, banhistas acionaram o Batalhão de Policiamento Turístico da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). O grupo que havia levado o garotinho, porém, foi embora antes da chegada dos militares.

"Provavelmente, o proprietário recolheu a embarcação com a aproximação da fiscalização. É um delito grave, que pode comprometer a segurança e a vida de banhistas e da própria criança. É necessário que os responsáveis tenham essa consciência", afirma o sargento Leal, membro do batalhão. 

Segundo Leal, qualquer irregularidade envolvendo meios de transporte marítimos deve ser denunciada ao batalhão pelo número 190. "Rondamos a área atendendo ocorrências de acidentes e fiscalizando. Em casos de infração como essa, acionamos a Marinha, que é a corporação que tem competência administrativa e criminal para autuar e apreender a embarcação", explica. 

Afogamento e acidentes

Com o calor e baixa previsão de chuva, as margens do Lago Paranoá e outras áreas para banho ficam lotadas de usuários, o que também aumenta o número de ocorrências de infrações e acidentes. Somente no domingo, o Batalhão de Policiamento Turístico atuou em três acidentes. 

Em um dos casos, um condutor de jet ski colidiu contra uma lancha e acabou tendo um corte no pé. Ele foi socorrido e estava consciente e estável. Outra embarcação colidiu contra um morro de areia ao atracar e uma pessoa acabou se ferindo levemente. 

Já no perímetro do Clube do Rocha, um homem de 37 anos morreu ao se afogar. O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) fez as manobras de ressuscitação por aproximadamente uma hora, mas o homem não reagiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade