Publicidade

Correio Braziliense

Sargento da PM salva vida de bebê engasgado em Vicente Pires

A militar estava no caminho para casa quando foi chamada para socorrer o bebê que já estava desacordado


postado em 17/10/2019 17:32 / atualizado em 17/10/2019 17:32

Para salvar o bebê, de 18 dias de vida, a militar usou manobras que aprendeu na Polícia Militar(foto: Arquivo pessoal)
Para salvar o bebê, de 18 dias de vida, a militar usou manobras que aprendeu na Polícia Militar (foto: Arquivo pessoal)
A volta para casa da sargento da Polícia Militar Cenir Maria da Silva, na última segunda-feira (16/10), teve um gostinho especial. Um momento que seria de tranquilidade e descanso, a fez heroína de uma família inteira. Ela salvou a vida de um bebê de 18 dias que estava engasgado e desacordado em Vicente Pires.

A militar contou que saía do trabalho, por volta das 22h30. Ao passar pela Rua 10, um carro a parou pedindo socorro a uma criança que estava sufocada em casa. ''Chegando perto da casa, vi a rua cheia, a mãe gritando e chorando muito. Assim que entrei na residência, o bebê já estava bem roxo. Comecei a fazer as manobras que a gente aprende na corporação. Aspirava a boca dele e dava tapinhas nas costas. Aos poucos ela foi voltando a cor natural'', disse a sargento.

Durante a ação da militar, o Corpo de Bombeiros chegou para prestar o socorro. ''Eles pediram para eu continuar as manobras, que estava dando certo. Logo o bebê voltou e ficou bem. Os bombeiros me deram parabéns e eu fiquei muito emocionada. Ele é um bebê prematuro, de apenas 18 dias, com pulmão bastante sensível. Agora graças a Deus ele está bem'', comemorou Cenir.

Após o socorro, a criança foi levada pelos bombeiros para o hospital. Aos militares, a mãe contou que amamentava ele e o irmão gêmeo. Quando colocou para arrotar, um deles teve refluxo e acabou engasgando. 

Esta não é a primeira vez que a sargento salva uma vida. Em 2004, resgatou uma criança de um incêndio. ''Deus me colocou nesse profissão não apenas para prender bandidos, mas para salvar vidas. Hoje, meu sentimento é de missão cumprida. Depois, os pais do bebê me abraçaram. O bebê me olhava com aquele olhar de gratidão, eu senti. Foi gratificante'', declarou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade