Publicidade

Correio Braziliense

Centro Olímpico de Samambaia comemora 10 anos de serviços gratuitos

Com muitas histórias de superação, Centro Olímpico e Paralímpico de Samambaia, Rei Pelé comemora uma década de serviços gratuitos à comunidade, que vão de atividades físicas a cursos de qualificação profissional


postado em 19/10/2019 07:00 / atualizado em 21/10/2019 19:35

Alunos e professores comemoraram os 10 anos de serviço do Centro Olímpico e Paralímpico de Samambaia(foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press)
Alunos e professores comemoraram os 10 anos de serviço do Centro Olímpico e Paralímpico de Samambaia (foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press)
Com infraestrutura ampla, o Centro Olímpico e Paralímpico de Samambaia — Rei Pelé completa neste mês 10 anos de abertura — e atende a cerca de 4 mil pessoas, entre crianças, jovens, adultos e idosos, em 18 modalidades esportivas convencionais e nove para pessoas com deficiência.

Eventos comemorativos, competições, programa de esporte de rendimento (Futuro Campeão) e cursos de qualificação social nas áreas de fotografia e empreendedorismo, entre outros, também fazem parte dos serviços oferecidos gratuitamente à comunidade. Para celebrar tudo isso, a Secretaria de Esporte e Lazer do Distrito Federal e a Fundação Assis Chateaubriand realizaram, nesta sexta-feira (18/10), uma festa para a comunidade.

Um dos primeiros alunos matriculados na unidade, Francisco Rodrigues de Brito, 74 anos, lembra com alegria dos vários momentos vividos com a turma do complexo esportivo. Cheio de amigos e admirador dos professores, ele conta como o espaço vem fazendo a diferença em sua vida: “Quando eu cheguei, não sabia nadar, minhas pernas eram inchadas, eu não dormia bem, roncava feito um monstro e hoje eu tenho saúde. Virei o homem flecha: pulo na água, mergulho e nado muito bem até de costas. Sem contar que tenho grandes amizades. Isso aqui é a minha vida”, comenta o morador de Samambaia.

Quem também se divertiu ao lado da mãe e dos amigos foi o aluno de bocha e estimulação funcional global Victor Joaquim de Oliveira, 11 anos. Ele tem paralisia cerebral e pratica atividades físicas há três anos no centro. “Nesse período, ele melhorou muito a autoestima, a determinação para fazer as coisas sozinho, conquistou bastante autonomia. Tenho muita gratidão por tudo o que fazem por ele aqui”, comenta a mãe, Simone Alves, 33 anos. “Isso aqui me dá ânimo”, completa Victor Joaquim.

Emoção tomou conta da equipe

Cada detalhe da festa foi planejado com carinho pela equipe pedagógica, que fez camisetas personalizadas e se divertiu ao lado dos alunos. Emocionado, Humberto Morais, gerente didático-pedagógico, lembra que começou sua história na unidade esportiva dias antes da inauguração, em outubro de 2009. “Vimos muita evolução aqui dentro, crianças que viraram adultos, outros tantos que viraram atletas, são muitas experiências. É uma política pública fundamental dentro de Samambaia hoje. A gente sente como o Centro Olímpico é respeitado na cidade. É muito gratificante fazer parte da vida da comunidade. Tenho um carinho especial por esse lugar, sou apaixonado pelo projeto. Me sinto muito parte dessa construção e evolução dos processos. Foram muitas mudanças, muitas lições aprendidas, amadureci muito como pessoa e cidadão”, ressaltou.

Professor de natação, hidroginástica e desenvolvimento motor, Tiago Alves da Cunha entrou teve no Centro Olímpico sua primeira oportunidade de estágio em 2010. Abraçou a causa e foi contratado para dar aulas. “Aqui cresci como pessoa e profissional. Conheci pessoas e histórias incríveis. A gente amadurece muito convivendo com a realidade de cada um.” A psicóloga da Gerência de Apoio Social, Aline Rodrigues, atua no espaço desde 2014 e já ajudou muitos alunos a superarem medos, traumas, entre outras necessidades. “É muito satisfatório ver o desenvolvimento dos alunos e a conquista deles lá fora.”

Presente na gestão pedagógica do Centro Olímpico e Paralímpico de Samambaia desde 2011, a Fundação Assis Chateaubriand tem contribuído para a melhoria dos serviços a cada ano. É o que afirma Eduardo Gay, gerente de projetos da entidade. “A gente observa a grande transformação das pessoas nesse ambiente inclusivo, onde todo mundo participa junto. A dedicação dos profissionais faz toda a diferença. Sem eles, isso aqui não existiria. Eles são um exemplo para a meninada que num momento delicado da juventude, com várias opções de caminhos que podem tomar, e o centro entra na vida deles mostrando que há muitas boas para ser feliz e ser alguém na vida.”

“Para nós, é uma honra estar à frente dessa pasta, ajudando a tocar esse projeto e participando dessa história de construção de vidas”, destacou o secretário de Esporte e Lazer do DF, Leandro Cruz. 

Seis anos no Setor O 

Já o Centro Olímpico e Paralímpico de Ceilândia — Setor O vai comemorar os primeiros seis anos de atividades em 26 de outubro (sábado), pela manhã. O evento será aberto para toda a comunidade, que poderá ainda conferir apresentações de música, artes marciais, ginástica rítmica e balé. Haverá também aulões de ritmos, hidroginástica, provas de revezamento de natação, torneio de futebol, atendimento no Ônibus da Saúde e exposição do Exército Brasileiro.

Aniversário de 6 anos do Centro Olímpico e Paralímpico de Ceilândia - Setor O

26/10 (sábado), 8h às 13h: Evento aberto para a comunidade. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade