Publicidade

Correio Braziliense

Moradores de Águas Claras ficam 18 horas sem energia

Falha no recebimento começou às 16h de segunda-feira (21/10), e só terminou às 10h30 desta terça. Moradores relatam transtornos


postado em 22/10/2019 12:34 / atualizado em 22/10/2019 12:34

O problema foi relatado por moradores do Residencial Castanheiras, localizado na esquina entre a rua Ipê Amarelo e a Avenida Castanheiras(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
O problema foi relatado por moradores do Residencial Castanheiras, localizado na esquina entre a rua Ipê Amarelo e a Avenida Castanheiras (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)

Moradores de Águas Claras reclamam da falta de energia em prédios da cidade. O Residencial Castanheiras, localizado rua Ipê Amarelo, ficou sem luz por pouco mais de 18 horas. Falhas no recebimento começaram por volta das 16h de segunda-feira (21/10), afetando serviços dos elevadores, portarias e ocasionando falta de energia dentro das residências. A situação se normalizou por volta das 10h30 desta terça-feira (22/10).

 

"Quando cheguei, às 16h, tive dificuldade na portaria, pelo acesso digital. A luz apagou e ficou fraca, a televisão desligou e a geladeira ficou sem funcionar. Tiramos tudo da tomada para evitar problemas”, relata Manoel Passos, 64 anos. “Passamos a noite com velas acesas. Algumas tomadas estavam funcionando, colocamos o ventilador, e ficou funcionando lentamente", complementa o militar reformado.

 

O morador ainda ressalta que a situação foi mais delicada para outros que residem no condomínio. "Um vizinho havia acabado de voltar do supermercado, com todas as compras, e não tinha elevador para usar. Outro estava se organizando para esperar no carro, por ter um problema de saúde e não poder subir todos os andares por escada", afirma.

 

Angélica Ferreira, 64, estava em casa quando houve a queda da transmissão. Ela afirma que não aconteceu uma chuva forte que motivasse a falha energética, e que a situação incomodou os moradores do prédio. "Eu sou aposentada e não saí de casa desde ontem (segunda), mas quem trabalha e precisa descer pelo elevador é mais complicado. Minha filha teve que descer do décimo andar com uma mala, e outras pessoas que tiveram infarto há pouco tempo não podem fazer esse esforço", pontua. 

 

A moradora ainda relata que ela e os vizinhos entraram em contato com a Companhia Energética de Brasília (CEB), sem conseguir esclarecimentos sobre o problema. "Eles falam que não teve nenhuma ocorrência ou que está verificando, tudo muito vago. Vários moradores ficaram ligando lá e não tiveram resposta satisfatória para o atendimento", diz.

 

Ao Correio,CEB afirmou que uma solicitação de um morador foi atendida na segunda e concluída às 23h13. No serviço, um componente da rede de distribuição foi substituído e o fornecimento de energia normalizado. Sobre outras solicitações abertas, a CEB afirmou que foram feitas apenas como solicitação de informação, sem pedido de serviço. Os moradores relataram que o recebimento só foi retomado às 10h30 da manhã desta terça-feira (22/10).

 

*Estagiária sob supervisão de Fernando Jordão

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade