Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Civil procura grupo que assaltou igreja católica em Ceilândia

Segundo funcionários, da Paróquia Santo Antônio, na QNM 29, em Ceilândia, esta é a sexta vez que o templo é assaltado em menos de dois anos


postado em 22/10/2019 12:26 / atualizado em 22/10/2019 12:29

De acordo com a Polícia Civil, o padre da igreja foi quem registrou o boletim de ocorrência(foto: Reprodução/Google Maps)
De acordo com a Polícia Civil, o padre da igreja foi quem registrou o boletim de ocorrência (foto: Reprodução/Google Maps)
A Polícia Civil procura um grupo que assaltou uma igreja católica, em Ceilândia Sul, na madrugada da última segunda-feira (21/10). Os suspeitos arrombaram o portão do templo e roubaram cerca de R$ 600 de uma urna onde eram depositadas as ofertas dos fiéis. Segundo funcionários, esta é a sexta vez que a Paróquia Santo Antônio, localizada na QNM 29, é invadida em menos de dois anos. 

De acordo com a Polícia Civil, o padre da igreja foi quem registrou o boletim de ocorrência, na manhã de segunda, na 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia Centro), que investiga o caso.

Dados da Secretaria de Segurança Pública, mostram que de janeiro a setembro de 2019, foram registradas 185 ocorrências de violência a templos religiosos. No mesmo período do ano passado, foram 170 casos. 

Morto estrangulado

Em 21 de setembro, o padre polonês Kazimierz Wojno, 71 anos, mais conhecido como Casemiro, foi encontrado morto, na Paróquia Nossa Senhora da Saúde, na 702 Norte. Ele foi vítima de latrocínio, roubo seguido de morte. O caseiro José Gonzaga da Costa, 39, foi amarrado durante a ação dos bandidos e conseguiu pedir socorro quando o grupo fugiu. O crime chocou os brasilienses.

Fiéis que participaram da última missa ministrada pelo religioso, lembraram que ele falava muito sobre insegurança na região. Em abril deste ano, em pleno domingo de Páscoa, o sacrário do templo, com valor estimado de R$ 200 mil, foi furtado e encontrado três dias depois sendo negociado em um ferro-velho, em Samambaia. 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade