Publicidade

Correio Braziliense

Polícia investiga relação entre mortes no Sol Nascente

Gláucia Sotero foi encontrada morta em casa, na Chácara 2 do Sol Nascente e, no dia seguinte, Bruno Rodrigues, ex-companheiro da vítima, foi morto a tiros. Testemunhas apontaram filho e sobrinho dela como responsáveis pela segunda morte


postado em 18/11/2019 06:03

Revólver calibre .38 foi apreendido na residência de um dos suspeitos do assassinato de Bruno(foto: PMDF/Divulgação)
Revólver calibre .38 foi apreendido na residência de um dos suspeitos do assassinato de Bruno (foto: PMDF/Divulgação)

Duas ocorrências que podem ter relação entre si estão sob investigação na 23ª Delegacia de Polícia (P Sul). Na noite de sexta-feira, Gláucia Sotero da Silva, 45 anos, foi encontrada morta em casa, na Chácara 2 do Sol Nascente. Uma equipe do Samu esteve no local, mas não conseguiu salvar a vítima. Na tarde do dia seguinte, o ex-companheiro dela, Bruno Rodrigues Vidal, 30, foi assassinado a tiros, no imóvel em que morava com a família, em uma rua próxima à de Gláucia.

A polícia identificou dois suspeitos de matar o homem. Um deles seria um dos filhos de Gláucia, de 20 anos, que está foragido. O outro, um jovem de 19 anos, sobrinho dela, foi preso em flagrante. Na casa do rapaz, em Ceilândia Norte, policiais militares encontraram um revólver calibre .38. O primeiro caso ainda não foi confirmado como feminicídio, mas os investigadores apuram se Bruno teria relação com a morte da ex-companheira.

O corpo de Gláucia foi encontrado pela irmã, por volta das 22h40 de sexta-feira, e não apresentava sinais de violência, segundo a Polícia Civil. No sábado, por volta de 15h30, duas pessoas entraram pelo telhado da casa de Bruno e o mataram com um tiro na cabeça. Testemunhas do crime reconheceram um dos autores e passaram informações sobre os envolvidos, que fugiram em um Ford Ka vermelho.

Por volta das 20h, a Polícia Militar encontrou e prendeu um dos suspeitos. “Localizamos, na mesma quadra, o sobrinho da mulher (Gláucia). Explicamos o motivo da abordagem e a denúncia. De início, ele negou, mas encontramos um revólver na casa em que ele falou que morava. Quando a localizamos, ele (suspeito) assumiu que era dele. A arma foi apreendida para ser periciada”, detalhou o sargento Valderir Pedrosa, do Grupo Tático Operacional (GTOP) 30.

Inquérito


Ainda de acordo com o militar, o jovem de 19 anos foi autuado em flagrante e levado para a 15ª DP (Ceilândia Centro). Ele tem passagem pelo crime de tráfico de drogas. Os parentes de Gláucia e Bruno também estiveram na unidade policial. “As famílias das duas vítimas moram na mesma rua, a cerca de 500 metros uma da outra. Elas foram para a delegacia e apontaram o outro lado como responsável. As duas negaram que os autores tenham sido da família”, afirmou Pedrosa. A polícia abriu um inquérito para apurar os dois fatos e segue à procura dos demais envolvidos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade