Publicidade

Correio Braziliense

Colaboradores vão acolher pacientes nas portas de unidades de saúde

Projeto Humanizar foi lançado pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IGESDF) nesta terça-feira e busca um atendimento humanizado na rede pública de saúde


postado em 19/11/2019 16:23 / atualizado em 19/11/2019 16:25

O projeto tem o objetivo de aplicar as ações da Política Nacional de Humanização (PNH), do Ministério da Saúde, proporcionando um ambiente mais acolhedor nas unidade médicas do DF(foto: Iges-DF/Divulgação )
O projeto tem o objetivo de aplicar as ações da Política Nacional de Humanização (PNH), do Ministério da Saúde, proporcionando um ambiente mais acolhedor nas unidade médicas do DF (foto: Iges-DF/Divulgação )
Cerca de 100 colaboradores farão o acolhimento de pacientes em unidades de saúde do Distrito Federal. A iniciativa faz parte do projeto Humanizar, lançado nesta terça-feira (19/11) pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF). A ação contemplará o Hospital de Base, o Hospital de Santa Maria e seis Unidades de Pronto Atendimento (UPA). 

O projeto tem o objetivo de aplicar as ações da Política Nacional de Humanização (PNH), do Ministério da Saúde, proporcionando um ambiente mais acolhedor nas unidade médicas do DF. "A preocupação do governo é que a população seja atendida da melhor forma possível. Temos na capital um índice superior de concursados, e muitas vezes, esses servidores acabam frustrados com a situação e a intenção é que eles não deixem morrer o sentimento dentro de si de ajudar o próximo, de servir o público”, destacou a primeira-dama Mayara Noronha, presidente do Conselho de Acompanhamento do Projeto Humanizar. Ela ainda acrescenta que a ideia é que o Humanizar se estenda para todos os órgãos públicos. 

Na primeira fase do projeto, os colaboradores ficarão nas portas das unidades recebendo a população e dando informações a respeito do atendimento. "A comunicação será uma ferramenta fundamental para humanização em um primeiro momento. Queremos dar informação para que as pessoas não fiquem na fila esperando. Muitas vezes, o paciente que está em um hospital e tem um caso com perfil de posto de saúde, por exemplo", explicou o diretor-presidente do IGESDF, Francisco Araújo.

O acolhimento é a primeira iniciativa do projeto. Em um segunda fase, esses profissionais terão um aplicativo com informações da rede pública de saúde, que vai auxiliar no encaminhamento dos pacientes. “Já estamos com encaminhamentos para humanizar a parte de dentro dos hospitais também. Queremos que cada cidadão, ao acessar o serviço de saúde, tenha informação e dignidade”, completou Francisco. 

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, destacou que o atendimento pouco receptivo em muitos hospitais era um problema recorrente no atendimento público. Durante o lançamento ele destacou que as pessoas buscam as unidades hospitalares em momentos difíceis e que o mínimo que elas merecem é serem bem recebidas. "A Secretaria está fazendo com que todos os nosso colegas de trabalho, os nossos colaboradores busquem a mesma forma de atender bem as pessoas. A gente está mudando dentro do DF a forma de atender, que vai ser exemplo para o Brasil", ressaltou 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade