Publicidade

Correio Braziliense

Feminicídios no DF: mais de 100 mulheres foram vítimas desde 2015

Apenas neste ano, foram registrados 30 casos no Distrito Federal. Na segunda-feira (18/11), Secretaria de Segurança Pública divulgou dados atualizados sobre as ocorrências


postado em 19/11/2019 19:11 / atualizado em 19/11/2019 19:51

 (foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
O Distrito Federal registrou ao menos 102 ocorrências de feminicídio desde março de 2015, quando esse crime se tornou circunstância qualificadora do homicídio. Só de janeiro deste ano até agora, 30 mulheres morreram assassinadas por questão de gênero. O número ultrapassa o registrado no ano passado, quando o número de casos chegou a 28 na capital federal.
 
Na segunda-feira (18/11), a Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF), divulgou dados atualizados até outubro em relação aos feminicídios cometidos no Distrito Federal. As regiões administrativas com maior incidência foram Taguatinga, Paranoá, Brasília, Planaltina e Santa Maria, respectivamente. Juntas, elas somaram mais da metade dos casos. 
 
Os meses de agosto e setembro de 2019 tiveram a maior incidência na série histórica — contabilizada desde 2015 —, com cinco ocorrências em cada. A maioria das mulheres (41%) tinha entre 30 e 49 anos. Em segundo lugar (30%), estão as vítimas na faixa etária de 18 a 29 anos. A maior parte dos autores também tem entre 30 e 49 anos (59%). 
 
Ainda de acordo com os dados da secretaria, a maioria dos assassinos usaram arma branca para cometer os crimes. Armas de fogo aparecem em segundo lugar. Ainda entre os 27 casos registrados de janeiro a outubro deste ano, 81% das agressões foram em casa.

Necivânia Eugênio de Caldas foi a 30ª vítima de feminicídio no DF(foto: Facebook/Reprodução)
Necivânia Eugênio de Caldas foi a 30ª vítima de feminicídio no DF (foto: Facebook/Reprodução)
A vítima mais recente trata-se de Necivânia Eugênio de Caldas, 37 anos, morta pelo ex-marido na última quinta-feira (14/11). Francisco Dias Borges, 37 anos, esfaqueou a ex-mulher na frente do filho dela de 8 anos, em Santa Maria.  
 

Tentativas de feminicídio 

 
As tentativas de feminicídio também subiram em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a outubro de 2019, foram 75 casos, contra 56 no mesmo período de 2018. O aumento representa 33,9%. As regiões administrativas com maior incidência de tentativas de feminicído foram: Ceilândia, Recanto das Emas, Samambaia, Planaltina e Estrutural. As cinco acumularam 56% dos casos. 
 
O mês com maior incidência na série histórica foi março último, com 15 tentativas de feminicídio registradas. Na maioria das ocorrências, as mulheres foram vítimas das agressões nas próprias residências. Arma branca (65%) e agressão física (20%) foram os meios mais usados. 
 

Onde procurar ajuda

 
Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência — Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República
Telefone: 180 (disque-denúncia)
 
Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)
Endereços: 102 Sul (Estação do Metrô), Ceilândia, Planaltina
Funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h
 
Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam)
Endereço: Entrequadra 204/205 Sul - Asa Sul
(61) 3207-6172
 
Disque 100 — Ministério dos Direitos Humanos
Telefone: 100
 
Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar
Telefones: (61) 3910-1349 / (61) 3910-1350 


*Colaborou Jéssica Eufrásio


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade