Publicidade

Correio Braziliense

Representantes da PM vão se reunir para avaliar aumento do GDF

MP que concede o aumento de 32,5% aos salários líquidos chegou ao Governo Federal, mas, entre militares, há dúvidas se percentual será suficiente para equipar os rendimentos da PM com a Polícia Civil


postado em 22/11/2019 15:29 / atualizado em 22/11/2019 21:15

MP aguarda avaliação do Executivo (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
MP aguarda avaliação do Executivo (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Representantes da Polícia Militar vão realizar uma assembleia na próxima terça-feira (26/11) para discutir pontos da Medida Provisória entregue pelo Governo do Distrito Federal à União nesta semana. A MP prevê um aumento de 32,5% no salário líquido de policiais militares e integrantes do Corpo de Bombeiros Militar. Apesar das avaliações positivas da PM após a assinatura da MP, membros da corporação questionaram se, no fim das contas, realmente haverá equiparação dos salários das forças de segurança pública.
 
Eduardo Naime, presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar Distrito Federal (ASOFPM), explica que a assembleia deve esclarecer esses pontos. “Começam a surgir muitas informações, tabelas e cálculos que nem sabemos de onde vêm. Tem coisa que eu, como oficial superior, ainda tenho dúvida. Mas estamos em diálogo constante para deixar tudo mais claro”, disse.

Para Eudardo, é importante lembrar que o país vive um momento de crise e que a proposta não é ruim, só precisa de reajustes. “É cedo dizer que a corporação rejeitou a medida. Depois de terça-feira vamos dizer se ela é boa ou ruim. Ainda temos que avaliar questões do auxílio moradia e da equiparação das carreiras nos salários líquidos, por exemplo”, concluiu Naime.
 
A MP assinada nesta semana também diz respeito aos salários dos servidores do Corpo de Bombeiros. Para a Associação dos Oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (ASSOFBM), ela não foi positiva. “É uma medida que não é boa, necessita de alterações. Do jeito que está, possui erros e ocasiona grande perda salarial caso seja aprovada e publicada. Isso porque o GDF considerou o auxílio moradia na remuneração bruta, mas pagando somente a partir de junho de 2020. Com isso, ficaríamos sem 20% da nossa remuneração líquida até lá”, avaliou Eugênio Cesar Nogueira, presidente da associação. 

Em fevereiro deste ano, o GDF encaminhou o projeto de reajuste dos agentes civis. Agora, as duas propostas aguardam a avaliação do Executivo Federal.  Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF) esclareceu que "inúmeras reuniões foram realizadas para que se chegasse a valores finais adequados para a tropa, dentro da responsabilidade fiscal que a governança pública prega".  

A pasta, entretanto, informou que diante dos últimos questionamentos sobre os valores da proposta, e considerando que estes envolvem critérios técnicos específicos da área econômica, foi solicitado que todos os índices fossem analisados pela Secretaria de Economia, para não haver dúvidas. A Secretaria destacou ainda que a valorização dos efetivos das Forças é uma meta diária da pasta e do GDF. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade