Publicidade

Correio Braziliense

HRT realiza primeira cirurgia de implante de esfíncter uretral

Procedimento foi realizado pela força-tarefa do Novembro Azul


postado em 03/12/2019 16:06 / atualizado em 03/12/2019 16:06

Procedimento foi inédito no hospital (foto: Divulgação/Saúde-DF )
Procedimento foi inédito no hospital (foto: Divulgação/Saúde-DF )
O Hospital Regional de Taguatinga (HRT) realizou uma cirurgia de implante de esfíncter uretral na última semana da força-tarefa do Novembro Azul. O procedimento, inédito no hospital, contemplou dois pacientes da Unidade de Urologia. 

A intervenção cirúrgica passou a ser realizada na rede pública de saúde do Distrito Federal, regularmente, neste ano, quando foi normalizada a compra do aparelho. Antes disso, apenas os pacientes judicializados conseguiam a prótese. O primeiro a receber o aparelho foi um paciente 65 anos, que possuía incontinência urinária grave.

O médico Fernando Melo Froes da Fonseca, referência de Urologia, aponta que os dois pacientes operados no HRT são remanescentes das judicializações. “Agora, conseguimos fazer um abastecimento regular deste material na Secretaria de Saúde. Antes tinha de fazer um processo de compra para cada paciente judicializado, o que gerava custo processual para a secretaria e dificultava o acesso do paciente, que demorava para receber a prótese”, afirma o especialista.

O médico explica que a prótese é destinada aos pacientes com incontinência urinária grave, e o aparelho é um material caro. “Então, é bom a gente ter esse tratamento aqui, um dos poucos lugares no Brasil onde ele é acessível ao paciente que não tem condições de adquirir a prótese”, comemora Fonseca.

As unidades públicas do Distrito Federal que realizam o procedimento são os hospitais de Base, Regional da Asa Norte e, agora, o HRT. 
 

Saúde 

Para o superintendente da Região de Saúde Sudoeste, Luciano Agrizzi, é muito importante a disponibilização desse tratamento. “É uma ação de grande valia para o hospital e para os pacientes da Região Sudoeste. E pensando na saúde do homem, na qualidade de vida dele. Quando se trata de incontinência urinária, é desconfortável, traz comprometimento de relação social e isso (o implante do esfíncter) traz qualidade de vida para ele”, diz o gestor.

Com informações da Agência Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade