Publicidade

Correio Braziliense

Mãe de Bernardo: ''Alguma coisa no meu coração diz que ele está bem''

Nas redes sociais, a advogada Tatiana da Silva fez homenagem ao filho Bernardo de 1 ano e 11 meses, que foi sequestrado pelo próprio pai


postado em 04/12/2019 22:53 / atualizado em 04/12/2019 23:20

Cinco dias após sequestro do filho, Tatiana destacou a dor que sente com a falta de Bernardo(foto: Reprodução/Facebook)
Cinco dias após sequestro do filho, Tatiana destacou a dor que sente com a falta de Bernardo (foto: Reprodução/Facebook)
A mãe do menino Bernardo, de 1 ano e 11 meses, reforçou na noite desta quarta-feira (4/12) estar esperançosa de encontrar o filho com vida. A advogada Tatiana da Silva, 30, escreveu, em publicação nas redes sociais, que sente que o filho está bem. "Alguma coisa no meu coração diz que ele está bem, mas se não estiver quero o corpo para pelo menos enterrar meu filho e dar paz a seu espírito. Sigo sempre em oração", disse. 

O menino foi sequestrado no dia 29/11 pelo próprio pai, o servidor público Paulo Roberto de Caldas Osório, de 45 anos. Para Tatiana, o acusado teria desaparecido com a criança por vingança, porque Tatiana teria procurado a Justiça para conseguir o pagamento da pensão. 

"É uma dor tão profunda, uma angústia que eu não desejo nem para meu maior inimigo. Fiquei sem chão. Arrancaram de mim minha vontade de viver, meu sorriso, e em alguns momentos até a minha razão", declarou Tatiana

Paulo Roberto foi preso em Alagoinhas (BA) na segunda-feira (2/12) e afirmou aos policiais que teria matado o filho e abandonado o corpo da criança em uma rodovia. Nesta quarta-feira, policiais da Divisão de Repressão a Sequestros (DRS) percorreram o trajeto feito pelo suspeito para tentar encontrar o menino, mas não tiveram sucesso nas buscas. 

Confira o texto completo de Tatiana:

"Nunca pensei na vida passar por isso. Achei que esse tipo de história eu só via em filmes ou em lugares bem distantes. Quando bate na nossa porta a gente não sabe o que sentir, o que fazer… É uma dor tão profunda, uma angústia que eu não desejo nem para meu maior inimigo. Fiquei sem chão. Arrancaram de mim minha vontade de viver, meu sorriso, em alguns momentos até a minha razão. Era por ele que eu levantava todos os dias pela manhã. Meu melhor sorriso era para ele. Meu melhor amigo, o meu menino. O menino da mamãe. Ainda me agarro a um fio de esperança. Alguma coisa no meu coração diz que ele tá bem, mas se não estiver quero o corpo pelo menos para enterrar meu filho e dar paz a seu espírito. Sigo sempre em oração. Meu amor, meu grande amor".
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade