Publicidade

Correio Braziliense

Jovem que vendia drogas pelo WhatsApp é preso em operação da PCDF

De acordo com a corporação, o acusado é de classe média alta e negociava por meio do app de mensagens


postado em 05/12/2019 09:57 / atualizado em 05/12/2019 10:05

Produtos encontrados com o jovem durante mandado de busca e apreensão da PCDF. Entre as drogas encontradas, havia haxixe, cocaína e cigarros eletrônicos com alto teor de THC(foto: Divulgação/PCDF)
Produtos encontrados com o jovem durante mandado de busca e apreensão da PCDF. Entre as drogas encontradas, havia haxixe, cocaína e cigarros eletrônicos com alto teor de THC (foto: Divulgação/PCDF)
A Coordenação de Repressão às Drogas da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu nesta quarta-feira (4/12) um jovem, 29 anos, de classe média alta, acusado por vender drogas de alto custo no DF e para outros estados. Entre os produtos encontratos, havia haxixe, cocaína e cigarros eletrônicos com alto teor de THC – Tetraidrocanabidiol, a principal substância psicoativa da maconha.

De acordo com as investigações da polícia, o jovem negociava drogas por meio do WhatsApp e, em alguns casos, fazia o envio dos entorpecentes pelos Correios. Além das substâncias, o autor estava com uma arma de fogo calibre 38, registrada em nome de outra pessoa, quatro munições para a arma, uma balança de precisão, embalagens para condicionamento das drogas, celulares e outros objetos, como um bloco de anotações, computador e agenda de contatos.

"A variedade, tipagem e alto custo das drogas demonstram a influência desse traficante em áreas nobres de Brasília", afirma o delegado responsável pela causa, Rogério Henrique Oliveira. Oliveira também destaca os cigarros eletrônicos de maconha que estavam em posse do jovem, por estarem "cotados em dólar".

A prisão é decorrente da Operação Moustache. Durante a quarta-feira, os políciais cumpriram dois madados de busca e apreensão. O homem foi autuado pelos crimes de tráfico de drogas e posse irregular de arma de fogo, e segue preso na carceragem da PCDF.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade