Publicidade

Correio Braziliense

CEB e trabalhadores aceitam proposta do TRT e greve chega ao fim

Paralisação começou na terça-feira. De acordo com a companhia, as atividades já voltaram à normalidade


postado em 06/12/2019 20:26 / atualizado em 06/12/2019 20:28

(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Após negociação, a direção da Companhia Energética de Brasília (CEB) e o Sindicato dos Urbanitários do Distrito Federal (STIU/DF) aceitaram a proposta apresentada pelo Tribunal do Regional do Trabalho da 10ª Região e colocaram fim à greve que teve início na terça-feira (3/12). 

 

A paralisação começou depois que a CEB anunciou cortes em benefícios, como a redução da remuneração de férias, fim do quinquênio, diminuição da indenização por morte e invalidez não decorrente de acidente de trabalho, além da falta de reajuste salarial da categoria. A alegação é a falta de verba. 

 

Pelo acordo, alguns dos cortes que a companhia pretendia fazer foram mantidos, outros não. Os trabalhadores também conseguiram a ampliação do vale alimentação de R$ 1.300,20 para R$ 1.398. Mas houve redução do auxílio-babá e extinção do tíquete natalino. Também não haverá reajuste salarial. (veja quadro com as mudanças no fim desta reportagem). 

 

A proposta foi feita na reunião de Mediação Pré-Processual realizada no Tribunal e levada para assembleia na manhã desta sexta-feira  (6/12). 

 

De acordo com o CEB, com o fim da greve, as atividades já voltaram à normalidade e os atendimentos pendentes estão sendo feitos. A companhia informou que são 70 viaturas de plantão entre dupla e individual, 18 equipes de manutenção atuando em eventos de grande porte e nove operadores no Centro de Operações realizando despacho de serviços. 

 

Em nota, a CEB agradeceu a intermediação do TRT para solucionar a questão. “A CEB acredita que o resultado deste acordo será de grande valia para melhorar as condições técnicas e de sustentabilidade econômico-financeira, o que resultará em melhor prestação de serviços à Sociedade Brasiliense”, diz. 

Confira como ficou o acordo  

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade