Publicidade

Correio Braziliense

Todos por todas: em caminhada, mulheres pedem fim da violência

Na manhã deste domingo (8/12), 1ª Caminhada pelo Fim da Violência contra as Mulheres chamou a atenção para os feminicídios e para a cultura de agressão à população feminina


postado em 08/12/2019 11:48 / atualizado em 09/12/2019 10:38

Na manhã deste domingo (8/12), cerca de 200 integrantes do Grupo Mulheres do Brasil se mobilizaram, unindo-se a aproximadamente 8 mil participantes de uma corrida de rua, no centro de Brasília, para pedir um basta nos casos de agressão(foto: Divulgação/Grupo Mulheres do Brasil)
Na manhã deste domingo (8/12), cerca de 200 integrantes do Grupo Mulheres do Brasil se mobilizaram, unindo-se a aproximadamente 8 mil participantes de uma corrida de rua, no centro de Brasília, para pedir um basta nos casos de agressão (foto: Divulgação/Grupo Mulheres do Brasil)
Milhares de pessoas e um mesmo propósito: por elas. Na manhã deste domingo (8/12), na Esplanada dos Ministérios, a 1ª Caminhada pelo Fim da Violência contra as Mulheres chamou a atenção para os feminicídios e para a cultura de agressão à população feminina. Cerca de 200 integrantes do Grupo Mulheres do Brasil se mobilizaram, unindo-se a aproximadamente 8 mil participantes de uma corrida de rua, no centro de Brasília, para pedir um basta nos casos de agressão. 

O laranja — cor oficial do combate às brutalidades cometidas contra a população feminina — destacou, no horizonte da capital do país, os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres. Durante o percurso, as camisetas estampavam palavras de apoio ao término das atrocidades praticadas pelos agressores.
 
No fim da madrugada, às 5h, participantes já se concentravam, na Esplanada. A largada foi dada, às 7h, simultaneamente em diversas lugares do Brasil e também em países como Alemanha e Portugal.  Ao todo, mais de 20 cidades participaram da mobilização. 

Para Janete Vaz, líder do Grupo Mulheres do Brasil, a sociedade civil precisa se mobilizar em torno do assunto. “O que queremos é trazer visibilidade, fazer com que as mulheres tenham coragem de relatar seus sofrimentos, levar o conhecimento de que é importante todas as pessoas estarem envolvidas. Por isso falamos ‘mete a colher sim, em briga de marido e mulher’. Com isso, estamos incentivando as mulheres que estão invisíveis, sofrendo violência psicológica, moral e sexual, para que possam ter a ousadia de buscar apoio”, disse.
''É uma forma de dar visibilidade à violência e trazer a sociedade para combatê-la. São todos por todas'', afirma Andrea Costa, coordenadora do Comitê de Combate à Violência contra a Mulher do Grupo Mulheres do Brasil ao comentar a caminhada deste domingo (8/12)(foto: Matheus Ferrari/CB/D.A Press)
''É uma forma de dar visibilidade à violência e trazer a sociedade para combatê-la. São todos por todas'', afirma Andrea Costa, coordenadora do Comitê de Combate à Violência contra a Mulher do Grupo Mulheres do Brasil ao comentar a caminhada deste domingo (8/12) (foto: Matheus Ferrari/CB/D.A Press)
 

No Distrito Federal, 32 mulheres foram vítimas de feminicídio, neste ano. O número se refere aos casos que chegaram a ser registrados e é 14% maior do que em 2018, quando ocorreram 28 crimes do tipo. Para Andrea Costa, coordenadora do Comitê de Combate à Violência contra a Mulher do Grupo Mulheres do Brasil, iniciativas como caminhada deste domingo são fundamentais na conscientização sobre as agressões sofridas e no combate ao crime. “Os índices de feminicídios são muito altos. Então, é uma forma de dar visibilidade à violência e trazer a sociedade para combatê-la. São todos por todas”, afirma.

Fundadora de uma ONG que realiza acolhimento de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, Natanry Osorio, 81 anos, acordou cedo, neste domingo (8/12), para “trabalhar em defesa da mulher”. Ela destacou o fato da violência não ser restrita a uma determinada classe social. “Nós mulheres, independente da classe social, éramos muito tímidas até que houvesse o que acontece agora, essa conscientização e o empoderamento do fato e da honra de ser mulher. As agressões aconteciam em qualquer nível social, não é só entre os humildes”, disse. “Eu vi pessoas de pessoas de grande intelecto e poder aquisitivo agredir, machucar, bater e violentar”, completou.
''Eu vi pessoas de pessoas de grande intelecto e poder aquisitivo agredir, machucar, bater e violentar'', diz Natanry Osorio, 81 anos(foto: Matheus Ferrari/CB/D.A Press)
''Eu vi pessoas de pessoas de grande intelecto e poder aquisitivo agredir, machucar, bater e violentar'', diz Natanry Osorio, 81 anos (foto: Matheus Ferrari/CB/D.A Press)

Silêncio 

Delegada-chefe da Delegacia Especial em Atendimento à Mulher (Deam), Sandra Melo destaca que o silêncio vinculado aos casos de agressão é um dos principais motivos do número elevado de crimes. “É importante destacar como o silêncio das vítimas e da sociedade tem levado a isso. Se as vítimas não procuram ajuda, o Estado não tem como quebrar esse ciclo da violência. Então, esse movimento aqui, é importantíssimo no sentido de mobilizar a sociedade e as mulheres que possam estar sofrendo violência, para que venham trazer essa vivência e, assim, possam ser ajudadas.”, afirma a delegada.
Policiais da Deam realizaram atendimentos e orientaram a população sobre medidas de combate às agressões(foto: Matheus Ferrari/CB/D.A Press)
Policiais da Deam realizaram atendimentos e orientaram a população sobre medidas de combate às agressões (foto: Matheus Ferrari/CB/D.A Press)

Atendimento 

No evento deste domingo (8/12), policiais da Deam realizaram atendimentos e orientaram a população sobre medidas de combate às agressões. Uma unidade móvel da delegacia estava à disposição das pessoas que estavam na Esplanada durante a caminhada. “A gente só vai conseguir diminuir essas taxas de violência quando a sociedade estiver totalmente mobilizada e quando a mulher sentir que todos estão por ela. É isso que estamos fazendo aqui”, disse Sandra Melo.

 
Precisa de ajuda? 
Saiba onde conseguir em atendimento, caso esteja em situação de violência: 
  
Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência — Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República
Telefone: 180 (disque-denúncia)

Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)
» De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h
» Locais: 102 Sul (Estação do Metrô), Ceilândia, Planaltina

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam)
» Entrequadra 204/205 Sul - Asa Sul
(61) 3207-6172

Disque 100 — Ministério dos Direitos Humanos
Telefone: 100

Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar**
Telefones: (61) 3910-1349 / (61) 3910-1350  


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade