Publicidade

Correio Braziliense

Grupos se organizam em 25 cidades do DF para plantio de árvores do cerrado

O objetivo do movimento é plantar um milhão de mudas em um único dia


postado em 08/12/2019 12:14 / atualizado em 08/12/2019 18:00

No Guará, o Parque dos Eucaliptos recebeu cerca de 300 mudas de espécies nativas(foto: Mariana Machado/CB/D.A Press)
No Guará, o Parque dos Eucaliptos recebeu cerca de 300 mudas de espécies nativas (foto: Mariana Machado/CB/D.A Press)
O Distrito Federal amanheceu mais verde com milhares de brasilienses indo às ruas para plantar árvores. A Gincana Verde acontece neste domingo (8/12) e é uma iniciativa do projeto Tempo de Plantar, idealizado pelo administrador Paulo César Araújo, 54 anos. 
 
Durante todo o dia, mudas de espécies nativas do cerrado serão plantadas em parques e áreas verdes de 25 regiões administrativas diferentes. “Ao longo dos anos, o Cerrado está sendo mais devastado do que a própria Amazônia. A gente precisa ter atitudes de restauração”, defende.
 
O objetivo do movimento é plantar um milhão de mudas em um único dia. “A Organização das Nações Unidas (ONU) decretou que esta é a década do reflorestamento. Os países assinaram metas e compromissos, mas isso não vai ser feito por decretos; tem que partir da vontade das pessoas."
 
Em março, ele começou a acionar grupos de interessados e a comunidade para o grande mutirão de plantio neste domingo. Mas ele reforça: não basta plantar, é preciso cuidar. “O convite é que cada ser humano plante uma árvore por cada ano da vida,, para que ela deixe um legado na terra”, destaca.
 
No Guará, o Parque dos Eucaliptos recebeu cerca de 300 mudas de espécies nativas, como ipê, ingá, e buriti, em áreas alagadas. O grupo de escoteiros Hokma levou a criançada para colocar a mão na terra. O presidente da turma, Luiz Fernando Júnior, 43 anos, explica que é importante o contato com a natureza desde a infância.
 
“Para os escoteiros, nada mais interessante. Nós estamos sempre em ações de preservação ambiental. Esse parque, há 20 anos era outra coisa. Tinha um lago aqui dentro”, reforça. 

Wilton Fidelis comemora o plantio da primeira árvore: realização de um sonho(foto: Mariana Machado/CB/D.A Press)
Wilton Fidelis comemora o plantio da primeira árvore: realização de um sonho (foto: Mariana Machado/CB/D.A Press)
Para alguns, o evento foi a oportunidade perfeita para experiências únicas. “Plantei uma aroeira e um pé de buriti. Eu nunca antes tinha feito isso, é um sonho realizado”, afirma o bibliotecário Wilton Fidelis, 47 anos. “Quem sabe, no futuro talvez eu possa ler um livro embaixo da aroeira, ou comer um doce de buriti da árvore que plantei."

Tecnologia

Pela plataforma online, os participantes podem registrar o plantio da árvore e ser alertados sobre os cuidados com a planta(foto: Mariana Machado/CB/D.A Press)
Pela plataforma online, os participantes podem registrar o plantio da árvore e ser alertados sobre os cuidados com a planta (foto: Mariana Machado/CB/D.A Press)
Para incentivar o cuidado permanente das mudas, os organizadores criaram uma plataforma online em que as pessoas podem cadastrar a árvore plantada. Um link permite acesso a uma página em que é possível inserir o local exato do plantio, bem como a espécie. A cada dois meses, o aplicativo emite um e-mail lembrando a pessoa de regar, podar ou qualquer outro cuidado necessário. 
 
Simone Vaz, coordenadora do grupo de plantio do Guará, no Parque dos Eucaliptos levou o filho, Samuel, de apenas 3 anos, para participar do evento. "A natureza clama por socorro e a gente tem de estar aqui dentro (do parque) para tomar conta", defende.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade