Publicidade

Correio Braziliense

Sindicato diz que empresa não tinha autorização para atuar em boate

Na sexta-feira (6/12), uma jovem foi agredida por uma segurança no estabelecimento


postado em 09/12/2019 22:38 / atualizado em 09/12/2019 22:38

A jovem foi agredida em frente ao estabelecimento(foto: Reprodução/Facebook)
A jovem foi agredida em frente ao estabelecimento (foto: Reprodução/Facebook)
O Sindicato dos Vigilantes do Distrito Federal (Sindesv) afirma que a empresa responsável pela segurança da boate People’s Lounge Bar, no Pistão Sul, em Taguatinga, não tem autorização para prestar o serviço. Na sexta-feira (6/12), uma jovem foi agredida por uma segurança no estabelecimento. Imagens registradas por testemunhas passaram a circular nas redes sociais.  

De acordo com o Sindesv, as empresas de vigilantes precisam ter autorização da Polícia Federal para atender. A Guerra Vigilância, contratada pela boate, não está no cadastro. “Verificamos a listagem e identificamos que não há registro no nome dessa companhia”, ressalta o diretor de imprensa e comunicação do sindicato, Gilmar Rodrigues.  

Procurada pela reportagem, a People’s Lounge Bar disse não ter conhecimento da necessidade de um cadastro e afirmou estar buscando novas empresas para a segurança da casa, visto que o contrato com a Guerra foi encerrado.

O Correio procurou a Guerra Vigilância por telefone, mas não obteve resposta até a mais recente atualização desta matéria. A Polícia Federal foi acionada por e-mail, porém, ainda não emitiu posicionamento. 

Agressão 

Na sexta, imagens de uma jovem sendo agredida na entrada de uma boate repercutiram nas redes sociais. No vídeo, é possível ver a moça, ainda não identificada, se aproximando da entrada da festa. A segurança, no entanto, não permite a passagem dela, puxa a jovem pelos cabelos e a derruba. Ela bate com a cabeça no chão e não se mexe mais. 
 
A agressora puxa as pernas da vítima para mudá-la de posição e, em seguida, fecha o portão de acesso à casa de shows. A garota permanece acordada e um homem se aproxima para tentar ajudá-la a levantar. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade