Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Civil investiga se deslizamento na Asa Sul foi criminoso

Investigação preliminar foi aberta na 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul). Delegado aguarda o laudo para saber se será aberto um inquérito policial ou um Termo Circunstanciado


postado em 12/12/2019 12:05 / atualizado em 12/12/2019 15:02

Quatro carros foram engolidos pela cratera (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Quatro carros foram engolidos pela cratera (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
As causas da cratera que se abriu na 709/909 Sul começam a ser investigadas pela equipe da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul). Segundo o delegado João de Ataliba, há dois crimes possíveis: o desabamento ou desmoronamento culposo, praticado sem sem a intenção; ou o desabamento e desmoronamento doloso, quando o autor assumiu o risco.  O delegado acrescenta que se ficar comprovado que foi um evento da natureza, o caso por ser até mesmo arquivado.

"Se for doloso, será aberto um inquérito, se for culposo, abriremos um  Termo circunstanciado. Mas quem vai dizer se foi causado por dano eventual,  por dolo ou por negligência vai ser o laudo", destaca Ataliba.  

Os crimes investigados estão previstos no Artigo 256, do Código Penal: "Causar desabamento ou desmoronamento, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio". A pena varia de um a quatro anos e multa. Após os resultados da perícia, a investigação intimará os responsáveis para iniciar as oitivas. 

Nesta quarta-feira (11/12), a Defesa Civil apontou falhas na obra. Segundo o coronel Sérgio Bezerra, subsecretário do órgão, as barreiras de contenção erguidas na construção não tinham altura suficiente para segurar o grande volume de chuva. Representantes do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) defendem que os responsáves pela obra tomaram todos os cuidados necessários.  

Em nota, enviada à imprensa quarta-feira, a D&B Construtora e Incorporadora informou que está providenciando laudos periciais para investigar o motivo do deslizamento.  


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade