Publicidade

Correio Braziliense

Gama recebe Festival de Teatro de Bonecos até o próximo domingo

Evento terá apresentações teatrais gratuitas em vários locais do Gama


postado em 13/12/2019 06:00 / atualizado em 13/12/2019 08:50

(foto: Diego Bresani/Divulgação)
(foto: Diego Bresani/Divulgação)
Dar vida a bonecos, objetos e projeções por meio da arte. As diferentes características do teatro de bonecos ganham destaque na nova edição do Festineco, o Festival de Teatro de Bonecos do Gama. Com apresentações teatrais, 15 grupos artísticos, do Distrito Federal e de outras regiões do Brasil apresentam espetáculos em diversos pontos da cidade ao longo da semana. Escolas, praças e parques são alguns dos locais que serão palco das atrações, que seguem até domingo.

“Terão apresentações de lambe-lambe, que é um teatro em miniatura, em que uma pessoa assiste por vez a cada espetáculo. Temos espetáculo de sombra e tem o espetáculo de mamulengo, que é o teatro popular do Nordeste brasileiro, além de algumas técnicas diferentes de manipulação. Alguns bonecos são manipulados por vara, outros por luva, alguns de forma direta, em que o próprio artista aparece”, conta Marco Augusto Rezende, organizador do evento.

A iniciativa, que chega à sétima edição, abre espaço aos grupos de bonecos da capital e favorece a troca de experiências com artistas de outras unidades da Federação.  “A gente chama festival de teatro para mostrar os grupos que trabalham no Gama. Mostramos o nosso trabalho em uma repercussão maior e fazemos um intercâmbio com outros grupos de fora. É o momento de a gente se encontrar e mostrar a nossa proximidade”, conta Marco Augusto.

Um dos artistas envolvidos no projeto é o paraibano Artur Barbosa, 45, atuante na área há 23 anos. Ele veio de João Pessoa para apresentar o espetáculo Tem boi no algodão,  produzido pela companhia Boca de Cena. A história conta que o dono de uma fazenda de algodão, rico e preconceituoso, é enganado pelo vaqueiro Benedito, que rouba o coração de Rosinha, filha. “É um dos mais recentes espetáculos da companhia. A gente veio também conversar com o pessoal sobre o teatro de bonecos. São poucas oportunidades que temos de produzir o teatro de bonecos no país; então, essa é uma oportunidade maravilhosa”, comemora o bonequeiro.

Outro artista que veio de fora é Hugo Oscar Verga Marambio, 68, conhecido como Hugo Oskar. Chileno, com mais de 40 anos no Brasil, o artista se especializou em marionetes e mímicas em São Paulo e mostrará O mundo mágico de Abilê Abilá, no sábado, no Lábios da Lua, às 17h. “O espetáculo é para todo tipo de público, que procura o sorriso das pessoas dentro do tema do circo. São reprises de palhaços, que reúnem a participação de diversas marionetes em 50 minutos”, detalha o participante do Grupo Metamorfaces (SP).

Entre os grupos do Distrito Federal, uma programação de destaque está prevista para a tarde de sexta-feira. A partir das 16h, a Companhia Lumiato Formas Animadas apresentará, no Galpãozinho do Setor Central, Iara, o encanto. Segundo Marco Augusto, o grupo é “um dos mais premiados do DF, e a produção consiste em projetar sombra atrás da luz, em uma mistura de teatro e audiovisual”.

Desafios da produção

Neste ano, a execução do projeto veio de forma colaborativa. Desde 2012, o grupo Voar Teatro de Bonecos conseguia o apoio do edital “Áreas Culturais”, do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), mas o cancelamento, em maio, mudou o planejamento e reduziu para uma apresentação, de forma colaborativa. Todos os artistas doaram o tempo e apresentações sem cobrar cachê. As passagens dos que vieram de outras unidades da Federação foram custeadas pelo edital “Conexões”, também promovido pela pasta. “Isso afetou muito a programação. O nosso festival é internacional. A gente conseguia trazer grupos de fora. Agora, com corte de verba, estamos fazendo com grupos nacionais que aceitaram fazer de forma colaborativa. É uma forma de resistência, porque estamos sofrendo ataque de todos os lados da cultura”, explica o organizador Marco Augusto.

Apesar dos desafios, as ações do projeto seguiram a tradição do evento: no primeiro dia, artistas saíram em cortejo de bonecos gigantes pelas ruas da cidade, partindo da administração regional até a Rodoviária do Gama.

* Estagiária sob supervisão de Guilherme Goulart

Programe-se

13 de dezembro

Às 11h — Grupo Voar Teatro de Bonecos-DF, com o espetáculo João e o pé de feijão, na Escola Classe 17 do Gama

Às 14h — Cia. Jorge Crespo-DF, com o show Inventos alegres do vovô, na Escola Classe 17 do Gama

Às 16h — Cia. Lumiato Formas Animadas-DF, com o espetáculo Iara, o encanto das águas. No Espaço Galpãozinho, no Setor Central do Gama

14 de dezembro

Às 11h — Grupo Mamulengo Mulungu-DF, com o espetáculo Brincadeira de mamulengo. No Santo Bar, na Feira Permanente

Às 17h — Grupo Metamorfaces-SP, apresentando O mundo mágico de Abilê Abilá, no Espaço Lábios da Lua

15 de dezembro

Às 16h — Grupo Mamulengo Alegria-DF, com o espetáculo O casamento de chiquinha muito prazer filha do coronel João Redondo com Tião Sem Sorte, no parque infantil do Setor Leste do Gama

Às 16h30 — Grupo Mamulengo Fuzuê-DF, 
com Benedito abençoado e bendizido, 
no parque infantil do Setor Leste

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade