Cidades

Eixo capital

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 12/01/2020 04:06
Semana tensa


Começa a valer amanhã o novo valor das passagens do sistema de transporte público do DF. O aumento de 10% na tarifa provocou críticas e comoção nas redes sociais. A oposição ao governo promete judicializar a questão e entrou com Projeto de Decreto Legislativo para barrar a mudança. Protestos foram marcados para o início da semana e vão aquecer o clima político do DF nos próximos dias. Tudo isso na semana em que o governador Ibaneis Rocha (MDB), que viajou para os Estados Unidos, volta ao Palácio do Buriti...



Despesas do GDF caíram em 2019


O GDF gastou R$ 1,7 bilhão a menos no passado do que em 2018. Segundo dados do Portal da Transparência, as despesas do Executivo local ficaram em R$ 22,6 bilhões em 2019 e as receitas, em R$ 24,9 bilhões. Em 2018, o valor despendido ficou em R$ 24,4 bilhões. O valor usado em 2019 também foi o menor dos últimos quatro anos. Em 2016, o GDF desembolsou R$ 27,3 bilhões e, em 2017, R$ 23,1 bilhões.



Bons resultados dentro de campo


Um dos principais articuladores da criação do Aliança pelo Brasil ; novo partido de Jair Bolsonaro ; o empresário Luis Felipe Belmonte tem notícias para comemorar. Ao menos, em relação ao futebol. Belmonte é dono do Real Brasília. O time se classificou para a segunda fase da Copa São Paulo de Futebol Júnior e disputa o mata-mata hoje contra o Chapecoense, às 11h.




Recomendação


O Ministério Público de Contas (MPC-DF) recomendou que a Administração Regional de Sobradinho promova pesquisa prévia de preços antes de fazer contratações artísticas. A manifestação se deu no contexto de um processo que corre no Tribunal de Contas do DF e investiga possíveis irregularidades e prejuízos ao erário em shows promovidos pela administração entre 2011 e 2013 em valores mais altos do que o praticado no mercado.




SIGA O DINHEIRO
R$ 116,2 milhões
Gastos do GDF com manutenção do sistema de iluminação pública de janeiro a novembro de 2019



Mandou bem
A Secretaria de Cultura e Economia Criativa, que abriu diálogo com a classe artística depois das polêmicas com o Fundo de Apoio à Cultura (FAC) em 2019.



Mandou mal
Desembargador do Rio de Janeiro, que censurou o especial de Natal do Porta dos Fundos.



A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR
O aumento no valor das passagens de ônibus da capital federal vai desgastar a popularidade do governo Ibaneis?





SÓ PAPOS


;Pelos estudos realizados e levando em conta o reajuste da tarifa técnica, esse aumento se mostra necessário para melhorar as contas e manter o sistema em pleno funcionamento.;
Ibaneis Rocha (MDB), governador do DF, sobre o acréscimo na tarifa de ônibus


;2020 mal começou e o governador, diretamente de Miami, já começou a anunciar maldades para a população. Isso depois de um 2019 recheado de más notícias para quem utiliza o transporte público ; não é o caso do Ibaneis, que tem até um avião particular!”
Leandro Grass (Rede), deputado distrital



À QUEIMA-ROUPA

Rafael Sampaio - presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do DF (Sindepo)


Como a categoria reagiu a esse imbróglio no fim de 2019 em relação ao reajuste?
Nós vemos tudo isso com muita frustração. Esse adiamento vem se postergando há muito tempo. Na verdade, nós aceitamos a nova proposta do GDF no início do ano passado e isso foi encaminhado pelo Governo Federal. A informação é que sairia depois da reforma da Previdência, aí adiou-se para 17 de dezembro. Mais uma vez, esperamos pacientemente. Foi alterado até o percentual para que fosse atendida outra força que não tem a ver com a nossa negociação, que tem uma composição salarial diferente. Por mim, houve essa confusão em que se condicionou nosso reajuste aos militares e foi alterado o valor.


Esse adiamento diminui a esperança de que a paridade com a Polícia Federal realmente saia?
O sentimento é de desânimo. A pessoa vai perdendo a esperança. Nunca imaginamos que chegaríamos a essa situação. A proposta do governo Ibaneis foi parcelar e nós aceitamos confiando na boa-fé para solucionar o problema. Mas agora vemos o Governo Federal represar uma demanda do GDF mesmo com um deficit de 7 anos no nosso salário. E é uma negativa sob argumentos políticos.


Um questionamento de parte da população é se, diante do cenário atual, um aumento com percentual alto faz sentido. Qual a justificativa?
As pessoas não querem admitir, mas o fundamento é constitucional, porque a PCDF sempre teve vínculos com a União em face de fazer a segurança da capital federal. A Polícia Civil é de interesse nacional, já que investiga crimes envolvendo autoridades, representantes internacionais, membros de embaixada. Não é só no Brasil, no mundo todo é assim. As capitais têm a segurança mantida pela União. Com a Constituição de 1988, passamos a ser subordinados ao governador. Naquela época, os servidores puderam optar se ficariam na Polícia Federal ou na Polícia Civil. Quem escolheu a PCDF, hoje, está aposentado ganhando menos do que quem escolheu a PF. Hoje o salário de um delegado em final de carreira é o 16; do país. Ganhamos menos do que estados com renda per capita menor, como Piauí, Sergipe, Goiás. Isso gera um desconforto muito grande na carreira. Estamos perdendo quadros excelentes porque não temos mais poder de retenção.


Uma operação recente mostrou que alguns delegados foram monitorados pelo PCC. O sindicato pode fazer alguma ação em relação à segurança?
Nós sempre, pela qualidade da PCDF, conseguimos controlar facções criminosas dentro de presídios e fora dele no DF. Mas, no futuro próximo, isso pode não ser mais realidade por um simples motivo: estamos sendo preteridos. Não temos reajuste desde 2013. Não temos nenhum argumento para levar para nossa base e convencê-los a ter esperança. Estamos virando um órgão de trânsito na carreira dos profissionais.


A relação melhorou com Ibaneis assumindo? Por quê?
A relação melhorou demais. Nós avaliamos que ele tem cumprido todos os compromissos conosco que estão sob a sua gerência. Mas o governo vai precisar de uma sinalização de boa vontade com a gente em relação a outros prontos que são reivindicações antigas, diante desse cenário sem o aumento esperado. A nossa demanda por saúde é um exemplo. Nosso servidor é adoecido e muitos não têm plano de saúde. Há um índice de depressão em 40% da força. Plano de saúde específico, especial que atenda nuances dessa atividade, trabalhos preventivos. Essa situação salarial agrava a condição de saúde que o servidor enfrenta.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação