Publicidade

Correio Braziliense

Operação investiga rombo de R$ 5 milhões em convênios da Secriança

A segunda fase da Operação Conto do Vigário foi deflagrada nesta quarta-feira (22/1). Ao todo, são cumpridos 15 mandados de busca e apreensão de funcionários públicos e empresários


postado em 22/01/2020 10:37 / atualizado em 22/01/2020 10:38

A Polícia Civil cumpre 15 mandados de busca e apreensão (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A Polícia Civil cumpre 15 mandados de busca e apreensão (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A Operação Conto do Vigário, deflarada na manhã desta quarta-feira (22/1), cumpre 15 mandados de busca e apreensão em residência e empresas vinculadas aos investigados. A ação investiga a suspeita de desvio e repasses de recursos da Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude do DF transferidos por meio de seis convênios com os institutos Terra Utópica e Ibesp (Instituto Brasília para o Bem-Estar do Servidor Público), entre 2015 e 2018. 

 

Entre os alvos estão funcionáros que ocupavam cargos na Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude (Secriança) e na Câmara Legislativa, além de empresários, nas gestões de Agnelo Queiroz (PT) e Rodrigo Rollemberg (PSB). Eles serão indiciados pelos crimes de associação ou organização criminosa, peculato, falsificação de documentos, como notas fiscais, uso de documento falso, lavagem de dinheiro e fraude processual. 

 

Até agora, as investigações indicam um rombo de R$ 5,9 milhôes nos recursos públicos. As parcerias públicas firmadas entre as empresas tiveram verbas originárias de emendas parlamentares. A segunda fase da operação visa confirmar o valor do prejuízo e, ainda, analisar a existência de outras parcerias públicas.

A operação foi deflagrada no fim de dezembro de 2018 e é conduzida pela Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Cecor) com apoio da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep), e do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade