Publicidade

Correio Braziliense

Ministério Público do DF denuncia cinco pessoas por tortura

Um dos acusados é o policial Luiz Paulo Araújo Ferreira Filho, acusado de traficar drogas na Papuda


postado em 23/01/2020 16:15

(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) acusou cinco homens pela prática de tortura. Brendo Henrique de Castro Gonçalo, Rafael Assunção de Medeiros, Elisvelton dos Santos, conhecido como Barbeiro, e Luciano Assunção Corrêa teriam agredido brutalmente a vítima por suposto furto de Narguilé.

O quinto acusado, Luiz Paulo Araújo Ferreira Filho, conhecido como Catra, foi denunciado por conduzir a vítima até o local do crime. Para garantir a execução, ele ficou na entrada, com uma arma de fogo, onde acompanhou as agressões e impediu a intervenção de terceiros. Luiz Paulo já está preso desde sexta-feira (17/1), por traficar drogas no Complexo Penitenciário da Papuda quando trabalhava como policial penal.

O MPDFT apresentou a denúncia de tortura nesta terça-feira (21/1).  Além desse crime, Rafael, Elisvelton e Luciano também foram denunciados por ofensa a integridade corporal de outra pessoa, um amigo da vítima que tentou ajudar na hora das agressões. Rafael, que era o dono do bar onde o crime estava sendo executado, ainda foi denunciado por ter permitido a venda de bebida alcoólica para quatro adolescentes. O crime aconteceu em 17 de setembro de 2017, em Vicente Pires.

Entenda o caso

A vítima estava no bar Point da Vi-Pires acompanhada de amigos quando foi abordada, com um tapa no rosto, por Luiz Paulo. Ao mesmo tempo, Luiz Paulo e Brendo levaram o rapaz à cozinha do estabelecimento, onde a tortura começou. Rafael, Brendo, Elisvelton e Luciano agrediram brutalmente a vítima com socos, chutes e golpes por todo o corpo, além de pertubações psicológicas. Um amigo da vítima também foi agredido por Rafael, Elisvelton e Luciano enquanto tentava ajudá-la. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade