Publicidade

Correio Braziliense

Polícia tem duas linhas de investigação para caso de menina que matou homem

A adolescente teria reagido a uma tentativa de estupro ou assassinado o homem em uma tentativa de furtar um veículo do estabelecimento em que ele trabalhava


postado em 29/01/2020 15:55 / atualizado em 29/01/2020 16:24

O caso aconteceu na noite de terça-feira (28/1)(foto: Augusto Fernandes/Esp. CB/D.A Press)
O caso aconteceu na noite de terça-feira (28/1) (foto: Augusto Fernandes/Esp. CB/D.A Press)
Investigadores da Delegacia da Criança e do Adolescente 2 (DCA 2), em Taguatinga, têm duas linhas de investigação para o caso da menina de 13 anos que matou um homem de 52, identificado como Antônio Soares da Silva. Há duas hipóteses: a adolescente teria reagido a uma tentativa de estupro ou assassinado o homem em uma tentativa de subtrair um veículo do estabelecimento em que ele trabalhava.  

De acordo com o delegado à frente do caso, Juvenal de Oliveira Campos Júnior, chefe da DCA 2, a menina contou aos investigadores que Antônio teria oferecido uma carona para ela. Eles seguiram para a rua lateral do trabalho do homem, momento em que ele “pediu para mexer nela” em troca do favor. “Ela deu uma gravata (golpe com braço no pescoço da pessoa) e a vítima desmaiou. Em seguida, disse que começou a agredi-lo com chutes na cabeça e uma tijolada”, informou.  

Entretanto, a versão é contestada por uma das irmãs da jovem, que chegou no momento das agressões. Segundo o depoimento dela, a menina é usuária de drogas e estaria sob efeito de Rohypnol quando a vítima se recusou a oferecer carona e ela o assassinou. “Essa irmã, que está grávida, conta que tentou impedir o crime, porém, também foi agredida, inclusive levou socos na barriga”, informou Juvenal. Segundo o investigador, ela chegou a ser encaminhada para um hospital antes ir à delegacia.  

Além da versão da menina, o delegado frisou que os investigadores apuram que a jovem poderia estar distraindo a vítima para que as irmãs pegassem um veículo da oficina em que ele trabalhava. “Quando a familiar chegou para ver a jovem, a encontrou agredindo Antônio. Nesse momento, tentou intervir e foi agredida”, comentou.  

Juvenal reforçou que todas as linhas de investigações estão sendo apuradas, mas que a menina agiu em “legítima defesa em excesso” e que responderá por ato infracional análogo ao crime de homicídio. “Temos relatos de que a vítima estava sob efeito de álcool e não tinha condições de reagir. Além disso, as agressões continuaram após ele já ter desmaiado."  

O caso

O crime aconteceu na noite desta terça-feira (28/1), por volta das 23h na Área de Desenvolvimento Econômico 4 (ADE 4) de Águas Claras. A polícia chegou ao local após denúncia de homicídio por arma de fogo e encontrou a vítima no chão, com uma pessoa tentando reanimá-la. O Corpo de Bombeiros foi acionado e constatou a morte.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade