Publicidade

Correio Braziliense

Especialistas dão dicas de como se proteger durante o carnaval

Secretaria de Segurança registrou mais de 200 ocorrências no último fim de semana. Festejos contarão com reforço de 700 policiais militares


postado em 14/02/2020 06:00 / atualizado em 14/02/2020 09:51

Lucas Rodrigues levou uma facada e teve o celular roubado no bloco Baby Doll de Nylon no ano passado(foto: Vinicius Cardoso/CB/D.A Press)
Lucas Rodrigues levou uma facada e teve o celular roubado no bloco Baby Doll de Nylon no ano passado (foto: Vinicius Cardoso/CB/D.A Press)
Em época de blocos carnavalescos, festas e multidão, os cuidados com furtos, roubos e confusões nas ruas devem ser redobrados. No último fim de semana, o Distrito Federal registrou 203 ocorrências criminais, a maioria delas por furto de celular (112) e roubo a pedestre (32), segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP). O bloquinho Quem Chupou Vai Chupar, que ocorreu na área externa do Museu da República, contabilizou o maior número de registros, inclusive um homicídio. Na tentativa de garantir maior segurança ao público, a Polícia Militar reforçará o efetivo: serão 700 militares a mais nas ruas no período.

Durante os dias de festa, 2,5 mil policiais ficarão à disposição dos 203 eventos carnavalescos cadastrados pela SSP, conforme informou o coronel e chefe do Departamento Operacional da PM, Agrício da Silva. “A estratégia é ocupar o máximo de espaço possível nas áreas de festa. A Funarte, por exemplo, foi dividida em oito quadrantes e, em cada um deles, os policiais estarão caminhando, fazendo buscas em pessoas suspeitas, tirando garrafas de vidro do chão e desfazendo grupinhos”, detalhou. De acordo com o oficial, em dias que não houver programação, o policiamento estará centrado nas áreas comerciais de Brasília, na Rodoviária do Plano Piloto e no metrô, além das outras regiões administrativas.

O coronel dá, ainda, algumas orientações para os foliões. “É indicado que as pessoas tragam o menor número de objetos possível, evitem levar cartões, guardem os pertences nos bolsos da frente, evitem levar objetos cortantes e perfurantes e, caso observem pessoas suspeitas, comuniquem a polícia e se afastem”, disse.

Cuidados

Na avaliação do advogado e especialista em direito público Ivon Iizuka, o Estado deve implementar mais ações que reforcem a segurança do público. “Nesta época do ano, o governo deve estar mais atento e mais presente em políticas preventivas da ação delituosa. Muitas pessoas não vão para curtir, mas, sim, para cometer crimes. O que ocorre, na maioria das vezes, é a conjugação do álcool e a vontade de extravasar excessivamente, o que leva a uma falta de freio social que nem sempre leva a um bom desfecho”, frisou.

De acordo com ele, a orientação de segurança para os foliões é tentar ir à festa acompanhado de um grupo, evitar levar carteira, mas, sim, uma doleira, e levar um celular velho, a fim de não atrair criminosos. “É sempre bom identificar onde está o policiamento e ficar próximo. Em casos de se desprender do grupo, combinar um local de encontro. Além disso, é importante identificar rotas de saída em caso de violência que exija fuga”, alertou.

O estudante Lucas Rodrigues, 25 anos, guarda memórias ruins do carnaval de 2019. No primeiro dia de festa, ele e os amigos foram para o bloco Baby Doll de Nylon, próximo ao estádio Mané Garrincha. “Eu peguei o celular por um instante e, depois, guardei no bolso.” Minutos depois, o jovem foi surpreendido por um homem que pedia o aparelho eletrônico. No primeiro momento, Lucas negou. “Eu disse que estava sem nada, mas o assaltante insistiu dizendo que me viu com o telefone. Depois, ele deu uma facada no meu ombro”, contou. Lucas foi levado pelo Corpo de Bombeiros para o Hospital de Base. “Levei muitos pontos, pois o corte foi bem profundo”, relembrou. Em 2020, ele se planejou para passar o feriado em Brasília, mas com os devidos cuidados. “Pretendo ficar próximo da polícia e evitar levar telefone, além de procurar bloquinhos mais seguros.”

Filipe Emanuel Biachi, 20, desistiu da ideia de passar a folia na capital após ter dois celulares roubados em anos consecutivos. “No carnaval do ano passado, pegaram meu celular dentro do bolso. Este ano, decidi levar meu objetos pessoais dentro de uma bolsa de alça e ficar a todo instante atento”, relatou. Mesmo com ela a todo tempo na frente do corpo, o estudante foi surpreendido com a ausência do celular. “Não sei o que aconteceu, mas por algum descuido vi minha bolsa aberta. Quando coloquei a mão dentro dela, o celular não estava mais lá.”

O que seria um momento de euforia virou uma lembrança ruim para Rafael Stadniki, 21. Ele estava curtindo o carnaval com uma garota que havia conhecido no bloquinho e, no momento em que foram se beijar, alguém furtou o celular do rapaz. “Como estava no bolso da frente, pensei que estava tranquilo. Na hora, senti alguém me empurrando, mas nada fora do comum, visto que esses eventos são sempre cheios. Depois, quando fui colocar a mão no bolso, não encontrei mais o celular”, contou. “A menina com quem estava me emprestou o celular pra ver se eu conseguia ligar para meu número, mas caía direto na caixa postal. Moral da história: nunca mais pulei carnaval sem doleira.”

Proteja-se

Para todos os tipos de violência, é possível:

» Ligar no 197
» Enviar as informações da ocorrência para 98626-1197 (WhatsApp)
» Fazer a ocorrência pelo site da Polícia Civil
» Enviar um e-mail para denuncia197@pcdf.df.gov.br

Orientações

» Levar o menor número de objetos possíveis
» Guardar os pertences no bolso da frente
» Evitar levar cartões de banco
» Levar pouca quantidade de dinheiro
» Evitar utilizar o celular durante a festa
» Não levar bebidas alcoólicas em garrafas de vidro
» Ao observar pessoas suspeitas, comunicar a polícia e se afastar

Fonte: Coronel e chefe do DOP, Agrício da Silva
 

Quatro perguntas para 

Arthur Igreja, especialista em Tecnologia e Inovação.


O que fazer em caso de perda ou roubo do seu celular?

As principais dicas de segurança diz respeito às funcionalidades que já vêm com os modelos de celulares. O bloqueio de tela por meio de uma senha forte é a primeira barreira de segurança que deve estar ativa. Isso evita o fácil acesso ao aplicativo do banco, mensagens e perfis nas redes sociais. Se o celular tiver o recurso de desbloquear a tela por reconhecimento facial, é aconselhado o uso da função por ser a opção mais segura em comparação com a digital, os pontos interligados ou a sequência numérica. Para se sentir mais confortável e seguro com o seu aparelho durante a época de Carnaval, o usuário pode também desinstalar aplicativos de bancos e desabilitar as senhas em perfis de redes sociais, pois caso aconteça alguma eventualidade, isso poderá gerar um dano ainda maior do ponto de vista de vazamento de dados e privacidade. Nunca deve-se  instalar aplicativos de rastreamento ou segurança que não sejam nativos do fabricante, pois isso poderá dar margem à pulverização das suas informações com terceiros. 

O que fazer após usar o rastreador do celular? 

Após localizado o aparelho pelo aplicativo de rastreamento, é possível enviar uma mensagem. E mesmo que o aparelho esteja com a tela bloqueada, a mensagem será recebida. A sugestão é informar um e-mail ou até mesmo um outro número para entrarem em contato. Caso nada disso funcionar, é um grande indicativo de que o celular foi furtado. Com essa certeza, é importante fazer o bloqueio do chip e do aparelho. Se o celular estiver com o GPS ou o localizador ligado, por meio de programas de rastreamento da fabricante também é possível saber com certa precisão onde o aparelho está. Esse acesso pode ser feito com um login e senha específico, que é criado imediatamente quando você compra o aparelho e faz as primeiras configurações para usá-lo. No site da Apple dá para obter essa localização remota, bem como para os usuários de Android, que podem fazer a rastreabilidade através da conta do Google. O ideal é entrar em contato com o celular pelo próprio número. Se não tiver retorno, deve-se procurar ajuda de um policial. 

Como evitar que a pessoa que roubou o celular tenha acesso a contas de redes sociais, bancárias, fotos, vídeos, entre outros? 

Um dos maiores medos de quem perde ou tem o celular furtado é que algum desconhecido tenha acesso aos perfis nas redes sociais. Para isso, é recomendado fazer um ajuste nas configurações e agir o mais rápido. A verificação em duas etapas oferece uma barreira extra contra o acesso de pessoas não autorizadas aos aplicativos. Se o celular foi realmente perdido, é fundamental trocar as senhas de acesso imediatamente. Outra sugestão para manter os dados intactos é ainda proteger todas as informações e senhas é reativar o número do celular em outro chip da mesma operadora. 

Com todas as possibilidades de localização esgotadas, o que é necessário fazer?

Caso o usuário não consiga recuperar o aparelho, é extremamente importante entrar em contato imediato com a operadora para bloqueá-lo pelo número de IMEI, sequência numérica exclusiva de cada celular que pode ser obtida na caixa do aparelho ou digitando *#6# no celular. É importante ter esse número sempre anotado em algum local seguro para o caso de alguma eventualidade. A indicação é bloquear definitivamente o aparelho e apagar tudo o que estava salvo nele. Isso é possível fazer pelo perfil de usuário em uma conta Apple ou Google. 
 

Programação*

Nesta sexta-feira (14/2)

Ensaio Escola de Samba Acadêmicos da Asa Norte
Acadêmicos da Asa Norte 
(SCEN Trecho 3) Nesta sexta-feira (14/2), a partir das 21h. Com participação de Marquinho Sathan. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Setor Carnavalesco Sul
Corredor Central (SCS)
Nesta sexta-feira (14/2), a partir das 22h. Festa de pré-carnaval com Leona Vingativa, Banda Strobo e DJs Pequi e Emídio. Ingressos a partir de R$ 30 (segundo lote). Não recomendado para menores de 18 anos.

Neste sábado (15/2)

Bloco do Massay
Coffee, Wine & Co (SIG Quadra 3)
Neste sábado (15/2), a partir das 12h. Festa com o músico Allan Massay tocando axé e MPB. Ingressos a partir de R$ 20. Não recomendado para menores de 18 anos.

Bloco do Peleja
Canteiro Central (SCS Quadra 3)
Neste sábado (15/2), a partir das 14h. Bloco de 
pré-carnaval com o Samba do Peleja. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Bloco Essa Boquinha Eu Já Beijei
Funarte (Eixo Monumental)
Neste sábado (15/2), a partir das 11h. Bloco de pré-carnaval LGBTQIA+ com a cantora Ellen Oléria e a percussionista LanLan, juntas da banda oficial da Boquinha tocando do samba ao afoxé. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Bloco Galo Cego
Outro Calaf (SBS Quadra 2)
Neste sábado (15/2), a partir das 13h. Bloco de 
pré-carnaval com samba, axé, 
MPB e marchinhas. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Bloco Samba da Mulher Bonita
Centro Comercial do Cruzeiro 
(SRES Quadra 3)
Neste sábado (15/2), a partir das 17h. Bloco de pré-carnaval com Kika Ribeiro, Mirian Marques e DJ Loly com muito axé, forró e marchinhas. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Bloquinho do Samba Urgente
Setor Comercial Sul (SCS Quadra 2)
Neste sábado (15/2), a partir das 17h. Bloco de 
pré-carnaval do Samba Urgente. Entrada franca por ordem 
de chegada. Classificação indicativa livre.

Carnaval Endossa BSB
Endossa Bsb (310 Norte)
Neste sábado (15/2), a partir das 11h. Bloco de pré-carnaval. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Carnaval no Parque
Estacionamento do Ginásio Nilson Nelson (Eixo Monumental)
Neste sábado (15/2), a partir das 17h. Shows com Zé Neto e Cristiano, Harmonia do Samba e Pedro Sampaio. Ingressos a partir de R$ 131 (meia-entrada, quarto lote). Não recomendado para menores de 16 anos.

Ensaio do Comboio Percussivo
Birosca (Conic)
Neste sábado (15/2), a partir das 20h. Com o Bloco Dona Imperatriz e banda de convidados. Cortesias disponíveis no Sympla. Não recomendado para menores de 18 anos.
 
Grito de Carnaval
ASSTJ (SCES Trecho 1)
Neste sábado (15/2), a partir das 13h. Feijoada e shows dos Poetas do Samba, Cely Curado e participação de Marquinho Sathan. Ingressos a partir de R$ 10. Feijoada, opcional, por R$ 40. Classificação indicativa livre.

Mulheres do carnaval
Setor Bancário Norte (SBN)
Neste sábado (15/2), a partir das 12h. Bloco de pré-carnaval com Alice Caymmi, Batalá, Realleza, Patubadelas, Bloco da Sereia Sem Pé e DJs. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Domingo (16/2)

Bloco Cafuçu do Cerrado
Setor Bancário Norte
Domingo (16/2), a partir das 10h30. Bloco pré-carnavalesco com Otto, Totonho e a Orquestra Cafuçu. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Bloco Encosta que Cresce
Praça das Fontes 
(Parque da Cidade)
Domingo (16/2), a partir das 14h. Bloco de 
pré-carnaval com Gisele Guedes e banda e DJ Cido Martins. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Bloco Kikalangas
Rainbow Gastro Drinks (105 Sul)
Domingo (16/2), a partir das 14h. Bloco de pré-carnaval com o Bloco Kikalangas e a cantora Ella Nasser tocando axé, funk, samba e marchinhas. Ingressos a partir de R$ 10. 
Não recomendado para 
menores de 18 anos.

CarnaBaby
Galpão Kids (SIG Quadra 6)
Domingo (16/2), a partir das 15h. Pré-carnaval infantil com o DJ Manu Santos em uma casa de festas com brinquedos e monitores. Ingresso mãe e bebê por R$ 50. Ingresso dois adultos e bebê por R$ 90. Ingresso Kids por R$ 25. Ingresso adulto avulso por R$ 55. Crianças até 3 anos não pagam.

Carnaval no Parque
Estacionamento do Ginásio Nilson Nelson (Eixo Monumental)
Domingo (16/2), a partir das 17h. Shows com Bell Marques, Kevinho e Latino. Ingressos a partir de R$ 111 (meia-entrada, terceiro lote). Não recomendado para menores de 16 anos.

Eixão 44 Festa Xena
Passagem Subterrânea (207 Norte)
Domingo (16/2), a partir das 17h. Bloco de carnaval e festa lésbica se unem com DJs tocando do pop ao funk. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

* Sujeita a alterações
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade