Publicidade

Correio Braziliense

Secretário de Cultura reafirma importância de reformas na capital

Bartolomeu Rodrigues afirmou que, pelo fato de a capital ser uma cidade nova, ainda são possíveis experimentos nos grandes eventos. Ele também comentou reformas em monumentos, como o Teatro Nacional e o Museu de Arte de Brasília (MAB)


postado em 19/02/2020 06:00 / atualizado em 19/02/2020 00:47

"O fomento que se dá ao carnaval é dentro de uma linha de que ele faz parte da nossa cultura, e o GDF deve incentivar e promover essas manifestações" (foto: Tailana Galvao/Esp. CB/D.A Press)
A menos de uma semana da maior festa popular brasileira, o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues, detalhou nesta terça-feira (18/2) a folia brasiliense no CB.Poder, parceria do Correio Braziliense com a TV Brasília. “Investimos num carnaval mais econômico e com a cara de Brasília”, afirmou. Ele também comentou a reabertura de espaços culturais e explicou que, apesar de ter obtido R$ 33,4 milhões para a reforma da Sala Martins Pena, no Teatro Nacional, segue sem previsão para o início dos trabalhos. O Museu de Arte de Brasília (MAB) está em obras, com expectativa de inauguração para setembro. Confira abaixo os principais trechos da entrevista:

Neste ano, o Galinho (de Brasília) sai?

Sai. Depois de intensas negociações, chegamos a um denominador comum. Eles queriam desfilar na 203 (Sul), mas, infelizmente, os laudos de segurança não recomendavam. Nós estamos concentrando o desfile dos blocos ali no Polo da Funarte, que foi escolhido depois de uma série de discussões envolvendo segurança. Mas será que é o local ideal? Eu não sei. Vamos ver. Brasília, felizmente, é uma cidade sessentona, mas nova; então, nós ainda nos damos a experimentos. Estamos testando o carnaval para chegar ao modelo ideal.

Houve o anúncio de um carnaval na Esplanada que contaria com atrações nacionais, como Nação Zumbi, Glória Groove e Psirico, mas, depois, o GDF voltou atrás e decidiu fazer na Funarte, focado em atrações locais. O que aconteceu?

Nós concluímos que não era o modelo adequado para aquele momento, e optamos pela economicidade. Não reduzimos o carnaval de Brasília, pelo contrário. Não estamos preocupados porque, em vez de Glória Groove, temos Dhi Ribeiro. Investimos num carnaval mais econômico e com a cara de Brasília, bem brasiliense, bem candango.

O senhor disse que estamos gastando muito menos, só que ainda estamos gastando. Precisamos repensar isso de o governo pagar por essa festa popular?

Algumas coisas eu acho que devemos repensar, mas a gente tem de encarar o seguinte: o governo não está gastando. Está investindo, porque isso volta. Uma barraca legalmente instalada ali não tem uma pessoa só trabalhando. Se temos mil barracas, temos pelo menos mil pessoas trabalhando. Se a gente colocar isso em números, vai ver que o que movimenta a economia de Brasília durante o carnaval é muito importante e vale muito a pena. O fomento que se dá ao carnaval é dentro de uma linha de que ele faz parte da nossa cultura e, pela própria lei orgânica da cultura, o GDF deve incentivar e promover essas manifestações.

O MAB continua fechado?

Continua em obras. A previsão de conclusão é para meados do ano, entre junho e julho, e a previsão de inauguração é em setembro. Aquele espaço estava abandonado, e nós temos de reestruturar totalmente. Estamos pensando no MAB como o museu de excelência da arte de Brasília. Esse é um centro com grande acervo de obras de arte do DF.

E o Teatro Nacional, como está o processo?

Assinamos, por meio do Fundo de Direitos Difusos do Ministério da Justiça, um convênio de R$ 33 milhões, que daria para cobrir as despesas com a Sala Martins Pena. Ocorre que entre o dinheiro ser colocado à disposição e o processo começar, existe burocracia. O projeto básico, feito em 2004 ou 2005,  previa algo diferente do que estamos planejando. A reforma como redimensionamos não se encaixa no projeto, e o custo ultrapassa a faixa dos R$ 200 milhões. Para lançarmos os editais, precisamos readequar o que queremos. Estamos com o projeto pé no chão. Entregar o teatro foi uma determinação do governador, promessa de campanha dele. A expectativa de termos o teatro funcionando nesse semestre, ou no próximo, sou franco, pode demorar mais um pouco. Nós queremos vencer os entraves, e confiamos muito nas pessoas que estão envolvidas nisso. É chato dizer isso. Temos a condição de começar a obra, e estamos olhando para o recurso e dizendo: “Poxa vida, por que não começa ainda?” Não começa justamente por conta desses entraves. Não tenho a menor ideia de quando isso pode sair. Qualquer coisa que eu falar é chute e causa essa expectativa.

Polo Funarte receberá 20 artistas e bandas 

Antes da participação no programa CB.Poder, o secretário de Cultura, Bartolomeu Rodrigues, deu uma coletiva pela manhã para explicar o funcionamento do carnaval na capital federal, que neste ano será na Funarte, no Eixo Monumental. O chefe da pasta disse nesta terça-feira (18/2) que o GDF quer oferecer aos foliões uma festa que valorize as manifestações da cidade. “Nós optamos por valorizar o carnaval local, por reconhecer que nós temos muitos artistas e muito o que apresentar para todo o Brasil, e até além Brasil. Porque o carnaval de Brasília está tomando proporções gigantes e é motivo de orgulho para todos nós”, afirmou. A expectativa é de que cerca de 1,2 milhão de pessoas saiam às ruas para curtir a folia na capital federal.

No Polo Funarte, o espaço será do palco Brasília 60, no qual 20 artistas e bandas se apresentarão nos quatro dias de festa. A programação do local contempla ritmos como frevo, samba, axé e forró. Entre os destaques da programação estão as cantoras Renata Jambeiro e Dhi Ribeiro, além da Orquestra Marafreboi e da banda Maria Vai Casoutras.

Segurança e respeito  

O secretário reafirmou o compromisso quanto à segurança dos foliões — há duas semanas, Matheus Barbosa Magalhães, 18 anos, foi assassinado a facadas durante um bloquinho na área externa do Museu Nacional da República. Mesmo com o crime, o local receberá o CarnaMuseu, uma espécie de carnaval alternativo, com cinco dias de duração. “Eu asseguro que estão trabalhando intensamente para promover a segurança do cidadão. Fiquei muito aliviado nesse último fim de semana. Os incidentes que aconteceram são aqueles normais para esse tipo de evento: apreensão, algumas prisões, essas coisas que acontecem em grandes eventos públicos. Mas a vigilância está redobrada.”

A Secretaria de Cultura também lançou a campanha Brasília: Um carnaval de respeito, que tem como objetivo conscientizar a população para o apreço à mulher, à diversidade e à vida. “É uma campanha conjunta com outras secretarias, para promovermos cidadania durante o carnaval e, sobretudo, respeito às minorias, aos grupos alternativos e à vida”, ressaltou o secretário de Cultura.

* Mais informações e a programação completa do carnaval está no site www.brasiliacarnavalderespeito.df.gov.br. 

Confira o podcast do CB. Poder: 

 

Assista a entrevista: 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade