Cidades

Crônica da Cidade

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 18/03/2020 04:15

Ônibus lotados

Felizmente, a maioria das autoridades brasileiras tem assumido uma postura de seriedade ante a ameaça global do coronavírus. A disseminação é extremamente veloz e assistimos a um esforço descomunal dos governos, das empresas e dos cidadãos no sentido de combater a Covid-19. As atividades das escolas foram suspensas; os eventos, cancelados; os bares, fechados; as academias de malhação, fechadas; os campeonatos de futebol, impedidos.


E, mais, as pessoas são estimuladas a trabalhar em casa, para evitar o contato. Abraços, beijos e até apertos de mão estão interditados. Não se recomenda chegar à distância de menos de um metro de outra pessoa. Os síndicos dos prédios foram orientados a não permitir a utilização das dependências de festas e da higienização das portas, das maçanetas e dos elevadores.


As feiras também estão suspensas. Em cada atividade desativada, muitas pessoas deixam de garantir a sobrevivência. Os governos recorrem às reservas para apagar os incêndios de uma situação dramática. A desigualdade social que alguns governantes querem silenciar explode com toda a força em uma situação-limite como é a da pandemia do coronavírus.


Agora, reparem só o contraste. No meio de todo esse esforço coletivo descomunal, vejo em reportagem de um telejornal da Globo que alguns ônibus trafegam superlotados, com as pessoas apinhadas em cima das outras. É o ambiente ideal para a proliferação do coronavírus.


De nada adiantarão todas as medidas de prevenção se os ônibus continuarem a circular completamente cheios. Muitas pessoas poderão ser contaminadas em uma escala massiva. A escassez de veículos provoca aglomerações e longas filas na Rodoviária.


Afirmo de cátedra porque sou um usuário do transporte público. Algumas vezes, esperei mais na parada por um ônibus da W3 Norte para a Rodoviária do que o tempo que despenderia para viajar de avião para o Rio de Janeiro. Entra governo, sai governo, as empresas mandam e desmandam, embora funcionem mediante concessão pública.


Nem em uma situação dramática como a que estamos mergulhados, eles conseguem pensar um pouco no interesse público. Em que planeta eles estão vivendo? Circular com ônibus lotados é uma irresponsabilidade que anulará todos os esforços e terá consequências graves para todos, inclusive para os donos das empresas e seus familiares.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação