Cidades

Com shoppings e parques fechados, DF tem 36 casos confirmados de Covid-19

Novo decreto do GDF determina, a partir de hoje, que centros de compras, áreas de lazer, boates, casas noturnas, feiras, clubes e zoológico paralisem as atividades. Representantes do comércio local concordam com as medidas, mas preveem crise

Alan Rios, Mariana Machado
postado em 19/03/2020 06:00
Caixas lotados em atacadista da Epia Sul: medo do coronavírus provoca correria aos supermercadosShoppings e boates fechados, população em casa, ruas vazias, comércio sem movimentação. O cenário que tomou as grandes capitais do mundo com a pandemia do coronavírus chega, aos poucos, ao Distrito Federal. A capital tem 36 casos confirmados de Covid-19. Outras 174 notificações estão em investigação, incluindo quatro crianças internadas no Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Do total de contaminações, cinco ocorreram por transmissão local, quando a infecção acontece na cidade, mas é possível apontar a origem.

Os números mostram o impacto não só na saúde pública, como também na economia. Ontem, edição extra do Diário Oficial do DF saiu publicada com novo decreto do governador Ibaneis Rocha (MDB) para conter a Covid-19. O GDF determinou, a partir de hoje, o fechamento de shoppings, parques, boates, casas noturnas, feiras, clubes recreativos e zoológico.
Diante disso, entidades representativas sentem os efeitos nos caixas. Pesquisa do Sindicato do Comércio Varejista (Sindivarejista) estima que o prejuízo chegue a R$ 400 milhões neste mês. ;É uma situação que impacta tudo, mas precisamos parar. As pessoas têm de ficar em casa. Os lojistas devem saber que não adianta abrir o comércio sem clientes. Apoiamos o fechamento dos shoppings e estamos com o governo, que prometeu empréstimos ao setor;, diz. Para ele, a linha de crédito do Banco de Brasília (BRB) de R$ 1 bilhão para empresários do setor produtivo é a solução adequada para o momento. ;O coronavírus é um problema que trará prejuízos durante cerca de 90 dias, então, o empréstimo é o ideal agora;, avalia.

A internet pode auxiliar a minimizar os danos. Segundo o presidente da Associação dos Revendedores de Veículos do Distrito Federal (Agenciauto), José Rodrigues Neto, as vendas do ramo caíram, em média, 40%. ;As lojas associadas pretendem continuar atendendo e fazendo vendas on-line normalmente. Com inovação e tecnologia na palma da mão, nós conseguimos aprovar o crédito dos clientes sem que eles precisem sair de casa. Para os funcionários, estamos pensando em montar estações de trabalho home office para os que podem executar as tarefas de casa;, detalha.

Impacto

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), Francisco Maia, também concorda com as medidas mais recentes do GDF. ;Temos sentido mais impacto nos setores de shoppings, lojas e hotéis, que não adianta abrir, porque ficariam vazios, gastando energia, água, telefone. Então, apoiamos o fechamento;, reforça.

Na avaliação de Francisco, ainda não se pode dimensionar o tamanho do impacto negativo da Covid-19 na economia local, mas ele acredita que será grande. ;Estamos tomando medidas para ajudar as empresas antes de o estrago se instalar por completo. Tudo o que o governo está fazendo vem acompanhado de uma consulta ao setor produtivo, isso é importante. E as linhas de crédito do BRB são essenciais, porque a taxa de juros facilita o pagamento. Ou seja, é o caminho emergencial que temos de tomar;, observa.

Palavra de especialista

;Esperar com precaução;

;O DF foi muito criticado quando cancelou aulas e começou a mobilização para fechar estabelecimentos, mas vimos que muitos outras unidades da Federação seguiram essas medidas depois. Isso gera um impacto econômico muito grande, principalmente na economia das pequenas e microempresas. O mercado informal, por exemplo, começava a ver uma melhora, mas, com a pandemia do coronavírus, também sofre e não consegue se expandir. A retomada só deve vir após o pico de casos da doença, a partir do próximo mês, quando pode aparecer uma luz no fim do túnel. Até lá, veremos menos pessoas nas ruas e mais estabelecimentos fechados. O que podemos fazer é esperar com precaução, porque é difícil encontrar soluções econômicas para um problema que não é econômico, é de saúde pública. O que as empresas devem fazer agora é segurar caixa, resguardar custos, minimizar gastos e tentar ao máximo segurar a saúde financeira para uma retomada futura.;, Vitor Hugo Fonseca, economista da G2 Investimentos.
Plano para o Parque da Cidade

Com o novo decreto do GDF, a entrada em locais como os parques da Cidade, Olhos D;Água, Ecológico de Águas Claras e Ecológico Dom Bosco estará limitada. Devido à extensão e ao fácil acesso à área de lazer da Asa Sul, o administrador do Parque da Cidade, Silvestre Rodrigues, analisa como será a barreira no lugar, que tem grande movimento de veículos. ;O certo é fechar todo o parque. Estudamos uma maneira de fazer o fechamento geral, mas mantendo a circulação interna de quem trabalha no local;, disse. Até o fechamento desta edição, o administrador não informou como a medida do governo será atendida.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação