Cidades

"Evitem o deslocamento a Brasília", diz governador de Goiás

Ronaldo Caiado (DEM) afirmou que Brasília "foi a cidade mais comprometida nos últimos dias" e pediu para que a população do Entorno "pare de ficar passeando" na capital

Alan Rios
postado em 26/03/2020 13:13
Caiado ainda criticou indiretamente discurso de presidente Bolsonaro, que chamou coronavírus de O governador do Estado de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), pediu, em entrevista coletiva nesta quinta-feira (26/3), para que a população do Entorno "pare de ficar passeando em Brasília". O pronunciamento aconteceu durante o anúncio da primeira morte de uma moradora de Goiás devido ao novo coronavírus.

A vítima é uma idosa de 66 anos, que apresentava comorbidades como hipertensão arterial, diabetes, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), além de histórico recente de dengue, de acordo com a Secretaria de Saúde de Goiás. A pasta também afirmou que ela esteve no Distrito Federal há 10 dias, antes de apresentar os primeiros sintomas gripais.

"Tenho dito e repetido à população: evitem o deslocamento a Brasília. Lá foi a cidade mais comprometida nos últimos dias, é o local com maior pico de crescimento de contaminação do coronavírus. E a capital tem uma estrutura hospitalar. O Entorno é uma região com muita fragilizada na área de atendimento hospitalar público", declarou Caiado.

O governador lembrou ainda que existem pessoas que moram no Entorno, mas estão trabalhando no DF, então não podem deixar de realizar esse deslocamento. Porém, quem não pertence a esse grupo deve contribuir com o saúde pública evitando passeios. "A região do Entorno é a mais preocupante neste momento em que estamos encarando o coronavírus", avaliou.

Crítica

Caiado também utilizou da entrevista coletiva para reforçar o pedido de isolamento social com críticas indiretas ao presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido), que vem adotando uma postura contrária nos discursos. "Quem considera isso uma ;gripezinha;, pode se candidatar como voluntário. Venha para cá e nos ajude a locomover pacientes, auxiliar as pessoas. Quem é muito palpiteiro e fica analisando à distância, venha nos ajudar", disse.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação