Cidades

Primeira vítima do novo coronavírus no DF tinha hipertensão e diabetes

Israel Tiago Martins, 40 anos, morreu devido à Covid-19. Natural de Cárceres (MT), ele teria contraído a doença da namorada, que voltou da França recentemente

Juliana Andrade, Walder Galvão, Ana Maria Campos
postado em 28/03/2020 07:00
 (foto: Reprodução/Facebook )
(foto: Reprodução/Facebook )
homem em pé segurando um livroO Distrito Federal registrou a primeira morte por coronavírus. A vítima é um homem de 40 anos, que veio do assentamento Rota do Cavalo, localizado entre Paranoá e Sobradinho, e deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Sobradinho 2. Ele estava internado com quadro de desconforto respiratório e febre, que progrediu para síndrome respiratória grave. Além disso, o paciente tinha hipertensão e diabetes. Boletim da Secretaria de Saúde divulgado ontem mostra que a capital tem 242 casos confirmados da Covid-19, sendo nove infecções graves e nove críticas.

Conforme o Correio apurou, a vítima chama-se Israel Tiago Martins. Ele é indígena e natural de Cáceres (MT). Segundo informações repassadas à Secretaria de Saúde, o homem namorava uma francesa, que chegou da França há pouco tempo e o contaminou. Ela está internada, entretanto, ainda não foi divulgada a unidade de saúde onde a paciente permanece.

Além dos casos confirmados e graves, o DF tem 185 pessoas diagnosticada com infecções leves, 39 pacientes em investigação e uma recuperada, com base em exame laboratorial que testou negativo após diagnóstico positivo para o coronavírus. Entre os infectados, 170 têm entre 31 e 59 anos e 44 na faixa de 11 a 30 anos. Além disso, com risco alto, há 27 pacientes com mais de 60 anos e um com idade não identificada. Ao todo, 142 são homens e 100 mulheres.

Dos pacientes em estado crítico, está a primeira pessoa diagnosticada com coronavírus no DF. É uma mulher de 52 anos moradora do Lago Sul que está internada há mais de 20 dias com quadro gravíssimo na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Ela está em coma induzido, respirando por aparelhos e, ontem, teve uma leve melhora na condição respiratória, de acordo com a Secretaria de Saúde.

O marido dela, o segundo caso confirmado da doença no DF, fez um novo exame para a Covid-19 também ontem. Em isolamento domiciliar, ele acionou a Justiça para sair da reclusão. Segundo a defesa do paciente, ele está sem sintomas e cumpriu tempo suficiente de quarentena, além disso, foi anexado ao processo um laudo médico de um infectologista que afirmou que o isolamento poderia ser encerrado na última terça-feira. Os documentos, apresentados pela advogada Cláudia Rocha Caciquinho, mostram que o GDF pediu que o paciente fizesse um novo exame e caso o resultado dê negativo, "o Distrito Federal concordará com a imediata finalização do isolamento".

Recuperados
Na tarde de ontem, a Secretaria de Saúde, durante coletiva à imprensa sobre a vacinação contra a gripe, afirmou que metade das pessoas diagnosticadas com coronavírus (121) no DF estão recuperadas. Segundo o subsecretário de Vigilância Sanitária, Eduardo Hage, o período para que os diagnosticados deixem de apresentar sinais da doença é de 14 dias.

Hage explicou que as complicações respiratórias duram cerca de sete dias e a maior parte dos casos são leves. ;Na maioria das confirmações, o paciente se recupera. Mais da metade das pessoas infectadas já saiu do isolamento domiciliar e tem recuperação clínica (que não precisa de um exame para atestar o diagnóstico);, disse.

Contudo, o subsecretário alerta para que as pessoas permaneçam em casa. ;Evitem aglomerações e o contato com outras pessoas. Isso é essencial para vencermos essa pandemia;, frisou Hage.

Vítima no Entorno
O Entorno do Distrito Federal também registrou uma morte por coronavírus. A vítima é uma mulher de 66 anos moradora de Luziânia (GO), município goiano distante cerca de 60 quilômetros da Rodoviária do Plano Piloto. A idosa faleceu na madrugada de quinta-feira, um dia após receber o diagnóstico. O marido dela, de 72 anos, está com sintomas da Covid-19, e, ontem, precisou ser transferido da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jardim Ingá (GO), também no Entorno, para um hospital de campanha em Goiânia (GO).

Em entrevista ao Correio, a filha do casal contou que a mãe foi velada na quinta-feira, no Cemitério de Luziânia. ;Ela seria cremada, porém, no último momento, conseguimos liberação para o sepultamento. Estava em Goiânia e fui direto para o cemitério. Tudo durou mais ou menos 20 minutos, com o caixão fechado;, lamentou. De acordo com ela, além do pai, cerca de 17 familiares estão isolados porque tiveram contato com a mãe. O teste para a Covid-19 do marido da vítima está sendo confeccionado e deve ficar pronto hoje.

No Entorno há outros três casos confirmados de coronavírus. Dois são em Valparaíso (GO), onde as pacientes, de 36 e 38 anos, estão em isolamento domiciliar. De acordo com a Secretaria Municipal da cidade, uma delas viajou para fora do Brasil e a outra sofreu transmissão comunitária, quando o diagnosticado não sabe dizer onde contraiu a doença. A terceira notificação é de Águas Lindas de Goiás (GO), entretanto, não há informações sobre o infectado.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação