Publicidade

Correio Braziliense

O dia em que o Correio reconheceu seu erro na manchete

Em agosto de 2000, o Correio Braziliense se tornou o primeiro jornal do país a publicar um "erramos" em sua manchete


postado em 29/03/2020 06:00 / atualizado em 27/03/2020 21:56

Este texto foi publicado originalmente na edição de 4 de agosto de 2000 do Correio. Sua republicação faz parte do projeto Brasília Sexagenária, que até 21 de abril de 2020 trará, diariamente, reportagens e fotos marcantes da história do jornal e da capital. Acompanhe a série no site especial e no nosso Instagram.

(foto: Arquivo/CB/D.A Press)
(foto: Arquivo/CB/D.A Press)


Em agosto de 2000, o Correio Braziliense se tornou o primeiro jornal do país a publicar um "erramos" em sua manchete, para corrigir uma informação errada publicada no dia anterior. Como a matéria errada havia sido divulgada na manchete, o jornal decidiu dar o mesmo destaque à correção, com o título e o texto abaixo:

O Correio errou

 

Está equivocada a reportagem publicada na edição de ontem do Correio Braziliense sob o título O grande negócio de Jorge. A reportagem diz que uma empresa, a DBO, sigilosamente associada a outra, a DTC, mantinha contrato milionário com o Banco do Brasil. E um dos sócios da DTC era o secretério do Palácio do Planalto Eduardo Jorge Caldas Pareira. Há erros na informação quanto ao nome e o local da sede da DBO e nenhuma evidência de que esteja ligada à DTC. Nem o contrato milionário com o Banco do Brasil, que o Correio informou ter sido assinado, realmente o foi.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade