Publicidade

Correio Braziliense

PCDF deflagra segunda fase da operação que investiga fraude em precatórios

Grupo movimentou mais de R$ 5 milhões na prática criminosa. Na primeira fase, um PM aposentado foi preso


postado em 30/03/2020 13:00 / atualizado em 30/03/2020 13:20

Os precatórios, que eram objeto do golpe, sempre ultrapassavam os valores de R$ 500 mil(foto: PCDF/Divulgação)
Os precatórios, que eram objeto do golpe, sempre ultrapassavam os valores de R$ 500 mil (foto: PCDF/Divulgação)
A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deflagrou, nesta segunda-feira (30/3), a segunda fase da operação G-17, que investiga golpes aplicados por uma organização criminosa acusada de esquema de fraude em precatórios das Forças Armadas. 
 
Agentes da 14ª Delegacia de Polícia (Gama) cumpriram um mandado de prisão temporário e busca e apreensão em Sobradinho. Segundo o delegado-chefe da 14ª DP, Jônatas Silva, o grupo falsificava documentos de pessoas que têm valores de precatórios a receber do Governo Federal. 
 
As investigações apontam, ainda, que os criminosos vendiam os títulos para empresas especializadas na compra desses títulos. “Os precatórios, os quais eram objeto do golpe, sempre ultrapassavam os valores de R$ 500 mil. Com a prisão de hoje é possível avançar nas investigações, na medida em que identifica e prende pessoas de maior nível hierárquico na estrutura da organização criminosa”, afirmou o delegado. De acordo com o investigador, os prejuízos somam mais de R$ 5 milhões. 
 

Primeira fase

Em 3 de março, policiais desarticularam a primeira fase da operação G-17. Dois suspeitos foram presos, entre eles, um policial militar aposentado de 59 anos.  A investigação iniciou após uma denúncia do Banco de Brasília (BRB), que identificou grande quantia resultante de fraude em uma conta da instituição.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade