Publicidade

Correio Braziliense

Coronavírus: Corpo de Bombeiros adquire mais de 2 milhões de itens de EPIs

Medida vai reforçar segurança dos militares que atuam contra a disseminação do novo coronavírus


postado em 31/03/2020 10:14 / atualizado em 31/03/2020 10:47

 
O Corpo de Bombeiros também vai receber 800 mil chips de teste para exame de coronavírus(foto: Divulgação CBMDF)
O Corpo de Bombeiros também vai receber 800 mil chips de teste para exame de coronavírus (foto: Divulgação CBMDF)
O GDF adotou mais uma medida de emergência para a frear os casos de Covid-19 no Distrito Federal. Sem licitação, o Corpo de Bombeiros Militar do DF adquiriu mais de dois milhões de itens de equipamentos de proteção individual (EPIs). 

Os equipamentos servirão para reforçar a segurança dos militares em serviço durante a pandemia do coronavírus na capital. A dispensa de licitação está autorizada pelo decreto publicado pelo Governo do Distrito Federal (GDF). 

Foram adquiridos equipamentos como luvas, máscaras N-95, óculos de proteção, capotes e toucas descartáveis que serão usados pelos bombeiros em atendimento nas 67 viaturas da corporação.  

As luvas descartáveis, entre cirúrgicas e não cirúrgicas, chegarão a aproximadamente 1,9 milhão de peças; as máscaras modelo N-95 a 8.469; os óculos de proteção a 1.038; os capotes a 134.510; e as toucas para cabeça a 131,7 mil. O material começa a ser entregue em cinco dias e será requisitado diante da demanda.

Também serão adquiridos 804 reanimadores manuais adultos e 402 infantis, 5.789 máscaras de oxigênio não reinalantes para adultos e 1.930 infantis, 1.608 cateteres nasais tamanho adulto e 804 infantil, 8.424 frascos de 500 ml de álcool em gel, 100 termômetros para testa infravermelho, além de baterias para funcionamento desses equipamentos.

Agilidade nos exames

Até o final desta semana, o Corpo de Bombeiros do DF vai receber 800 dos mil chips de detecção para teste de coronavírus por meio da saliva. O material que vem de Singapura será adaptado aos veredos (equipamento utilizado para a detecção de produtos perigosos) que a corporação já possui e faz a coleta de até oito amostras de uma vez – emitindo o resultado em cerca de três horas. O restante dos chips para teste é aguardado para a semana seguinte.

Com informações da Agência Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade