Cidades

Covid-19: Deputada federal do DF procura informais para ajudar na crise

A parlamentar fez um poste em suas redes sociais há quatro dias, pedindo que autônomos do Distrito Federal se identifiquem

Luiz Calcagno
postado em 01/04/2020 21:08
 (foto: Mariane Silva/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Mariane Silva/Esp. CB/D.A Press)
A parlamentar fez um poste em suas redes sociais há quatro dias, pedindo que autônomos do Distrito Federal se identifiquemA deputada federal Celina Leão (PP-DF) está usando o Instagram para reunir trabalhadores informais que podem oferecer algum tipo de serviço durante a crise do coronavírus. A intenção é instruir essas pessoas sobre como manter os trabalhos, oferecer serviços de delivery e manter a higiene e a segurança para evitar contaminação por coronavírus. Os contemplados também terão ajuda para divulgar os serviços. A parlamentar fez um poste em suas redes sociais há quatro dias, pedindo que autônomos do Distrito Federal se identifiquem.

;A gente sabe que os autônomos estão sofrendo muito. Tenho recebido muita mensagem inbox. Elas não podem esperar meses. Estamos criando canais para a pessoa divulgar o trabalho, ou de forma remota, pelo computador, dependendo do trabalho, ou com delivery. A gente está recebendo muita coisa. Vamos tentar ajudar também, pois algumas pessoas são muito simples, tem um produto simples, sem arte, e temos uma rede grande para ajudar;, afirma a deputada.

[SAIBAMAIS]A deputada destaca que a ajuda será feita com a orientação de infectologistas, e que os trabalhos serão divulgados levando em conta a segurança do cliente e do informal. Para ela, a renda básica para os informais apresentada não exclui que alguns profissionais continuem oferecendo o serviço com uma clientela menor e como um complemento na renda.

;É hora de inovar. A pessoa que precisa, ir para a rua vender, não tem público. Recebemos um inbox, que são a cesta de agricultores da agricultura familiar, que possam levar os produtos orgânicos. Vamos dar uma colaboração. Autônomos são preocupação do governo federal e local. Tem chegado pedidos de alimentos no nosso gabinete. É nesse momento que a solidariedade será testada. Estamos falando de três meses de dificuldade, e o comércio só abre em partes;, defendeu. De acordo com Celina Leão, a ideia é divulgar o serviço também por cidade, para os que não tiverem condições de atender outras regiões.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação