Publicidade

Correio Braziliense

Homem é preso suspeito de fabricar e vender álcool em gel adulterado no DF

A prisão aconteceu por meio da Operação Mil Graus da Polícia Civil, que investiga crimes em sites de compra e venda


postado em 04/04/2020 11:45 / atualizado em 04/04/2020 12:35

Segundo a Polícia Civil, o produto era usado, aparentemente, para acender churrasqueira(foto: Divulgação/PCDF)
Segundo a Polícia Civil, o produto era usado, aparentemente, para acender churrasqueira (foto: Divulgação/PCDF)
A Polícia Civil prendeu um homem suspeito de fabricar e vender álcool em gel adulterado no Distrito Federal. O esquema foi descoberto por meio investigações em sites de compra e venda. Durante a apuração, os policiais identificaram um vendedor oferecendo produtos de origem duvidosa. 

Após fazer contato com o suspeito, por meio de uma rede social, uma equipe infiltrada conseguiu efetivar a primeira compra, assim conquistando a confiança do criminoso. Na tarde da última sexta-feira (3/4), uma nova compra foi combinada e um dos envolvidos foi preso. 

Na casa dele foram encontradas cerca de 40 garrafas de álcool em gel. Segundo a Polícia Civil, o produto era usado, aparentemente, para acender churrasqueira e vendido em garrafas de água, rotulado com material impresso de forma caseira. Tudo foi apreendido e submetido à perícia. Os policiais procuram uma segunda pessoa envolvida no esquema. Seria um homem e primo do rapaz preso, que já foi identificado, no entanto, está foragido. A ação faz parte da Operação Mil Graus.

''A equipe está monitorando todos os dias as plataformas de compra e venda pela internet. A gente faz a prospecção, observa os anúncios suspeitos e inicia a investigação'', disse o diretor Divisão de Repressão à Adulteração e ao Desmanche de Veículos da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Dirad/Corpatri), delegado Erick Sallum. O suspeito preso foi liberado após passar por audiência de custódia. Ele responderá por crime contra a saúde pública. Caso seja condenado, pode pegar de 10 a 15 anos de prisão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade