Cidades

Crônica da Cidade

postado em 14/04/2020 04:07
Solidariedade salvadora

Moro em um condomínio horizontal do Jardim Botânico. O meu bairro está fazendo uma bela ação de solidariedade. A iniciativa partiu dos próprios moradores que pediram à Associação Comunitária do Jardim Botânico um projeto para a distribuição de cestas básicas à população mais vulnerável que habita as cercanias do bairro.

E, assim, sem burocracia, rapidamente, no ritmo da fome, começou a funcionar em 1; de abril o projeto Cesta do bem. As cestas básicas são doadas pelos moradores do Jardim Botânico. Cada um colabora com o que for possível. O projeto já distribuiu até agora mais de 700 cestas.

Os beneficiários não são os que integram a população vulnerável, mas também os pequenos comerciantes da região. A dona de um mercadinho ficou muito feliz, pois, com as cestas doadas conseguiu arrecadar em um dia o que não vendia em uma semana. Com isso, são garantidos alguns empregos.

Quando recebem as cestas, os moradores da periferia perguntam: "É do governo?". Eles ficam surpresos ao saberem que se trata de uma doação dos moradores do Jardim Botânico.

E um dos aspectos mais interessantes do projeto é o da distribuição das cestas. Em vez de criar aplicativos, contas em bancos ou métodos burocráticos, os organizadores tiveram a humildade e a sabedoria de recorrer a quem conhece as famílias carentes: as igrejas, as instituições sociais e as lideranças comunitárias.

O confinamento é difícil para quem habita uma casa ampla, dispõe dos serviços da Netflix e dinheiro para comprar comida. Agora, imagine para quem mora em um cubículo, está desempregado e não tem CPF. Muitas pessoas querem ajudar e não sabem como fazer. Por isso, iniciativas como essa são tão importantes.

Ninguém atravessará essa tormenta sozinho. É apenas a solidariedade que pode nos salvar. Ela nos dá novo ânimo para enfrentar as batalhas. Ilton de Queiroz, secretário-executivo da Associação Comunitária do Jardim Botânico afirma que o projeto é, simultaneamente, um motivo de grande alegria e de grande inquietação.

Alegria pela receptividade das famílias beneficiadas e inquietação porque as doações ainda não são suficientes para atender a todos os que precisam. Quem puder ajudar, pode entrar em contato pelo e-mail contato@mcjb.org.br ou pelo fone 3427-3038.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação