Publicidade

Correio Braziliense

Servidores do DF ganham mais tempo para aderir à Previdência Complementar

A proposta foi feita pelo Executivo para que mais trabalhadores interessados possam tomar a decisão após as mudanças geradas pela Reforma da Previdência


postado em 29/04/2020 10:21

Proposta de aumento do prazo foi feita pelo Executivo: ideia é dar tempo para os servidores buscarem informações(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Proposta de aumento do prazo foi feita pelo Executivo: ideia é dar tempo para os servidores buscarem informações (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Na última terça-feira (28/4), a Câmara Legislativa aprovou em segundo turno o Projeto de Lei Complementar 30/2020 que prolonga até 31 de março de 2022 o prazo para adesão ao regime adicional de proteção previdenciária. Com isso, os servidores que ainda não migraram para o Regime de Previdência Complementar do Governo do Distrito Federal (GDF) terão mais tempo. 


Antes, a data limite para adesão era 24 de fevereiro de 2020. A mudança ajudará o servidor a buscar informações sobre os efeitos da reforma nas suas contribuições, optando pelo regime que considerar mais adequado à sua aposentadoria.

A prorrogação de prazo não vai aumentar as despesa para o GDF. Se houver mudança de regime, os reflexos seriam indiretos para o orçamento do DF, garante o secretário de Economia André Clemente. “Esses reflexos dependerão do perfil, da carreira, da idade e do tempo de contribuição de cada servidor que decidir migrar – e da decisão dele de aderir ou não ao plano”, explica. 

Gratificação na SLU

Os deputados distritais também aprovaram em segundo turno o Projeto de Lei (PL) nº 1.009/20, de autoria do GDF, que cria a Gratificação por Habilitação em Resíduos Sólidos para servidores da carreira Gestão Sustentável de Resíduos Sólidos, do Serviço de Limpeza Urbana (SLU). A medida deve auxiliar cerca de 870 trabalhadores.

O pagamento do benefício havia sido suspenso em 2015, quando a Justiça julgou procedente a inconstitucionalidade da Lei Distrital nº 5.276/2013, que transferiu os trabalhadores para a carreira de Políticas Públicas e Gestão Governamental. O GDF vai investir, só este ano, cerca de R$ 3,7 milhões com o pagamento da nova gratificação – que varia de 9% a 35% dos vencimentos desses servidores, do nível médio ao doutorado.

Com a volta da gratificação, um assistente de Gestão de Resíduos Sólidos, no início de carreira, por exemplo, que concluir a pós-graduação vai receber a mais nos seus vencimentos R$ 672. Já um analista novato, pós-graduado, passaria a receber R$ 1.014. Com a gratificação por titulação, ambos ganham atualmente os mesmos R$ 420, cada. Para virar lei, a proposta depende agora da sanção do governador.

Com informações da Agência Brasília


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade