Cidades

Comércio perdeu 25 mil funcionários, diz vice-presidente do Sindivarejista

Em entrevista ao CB.Poder, o empresário Sebastião Abritta falou sobre perdas no setor do comércio e como a categoria recebeu a decisão judicial que proíbe a reabertura

Jéssica Eufrásio
postado em 06/05/2020 14:58
Sebastião Abritta, vice-presidente do Sindivarejista: 'Não podemos ter um colapso na saúde e na economiaApós a decisão da Justiça publicada na madrugada desta quarta-feira (6/5) proibindo a reabertura de estabelecimentos que se encontram fechados no Distrito Federal, profissionais do setor de comércio e serviços esperam mais perdas nas próximas semanas.

Em entrevista ao CB.Poder nesta quarta, o vice-presidente do Sindicato do Comércio Varejista do Distrito Federal (Sindivarejista-DF), Sebastião Abritta, calcula que, até agora, houve encerramento de 25 mil contratos de trabalho no DF, que conta com 30 mil lojas de diferentes segmentos.

;Ao menos 350 não vão abrir mais. Só no segmento do varejo, com essas 350, é algo perto de 2 mil empregos. No total, de todo o setor e de toda a cadeia produtiva do Distrito Federal, é algo perto de 25 mil empregos que tiveram contratos encerrados (até agora);, afirmou Sebastião.

[SAIBAMAIS]Além disso, o vice-presidente do Sindivarejista disse que o setor recebeu com ;grande preocupação; a determinação da Justiça Federal. No entanto, Sebastião acredita que o governador Ibaneis Rocha (MDB) deve tentar reverter a decisão.

;Colapso econômico;

Na quinta-feira (7/5), integrantes do Poder Judiciário visitarão a Sala de Situação no Palácio do Buriti, onde o chefe do Executivo local deve apresentar dados complementares para planejamento da retomada das atividades.

;O governo tinha feitos várias reuniões com o setor produtivo e tínhamos definido alguns parâmetros para a reabertura do comércio local. Essa incerteza é muito ruim para o setor. (A reabertura) era no dia 4, passou para o dia 11 e fomos surpreendidos com a decisão;, comentou Sebastião.

O empresário estima que as perdas no faturamento durante o Dia das Mães para segmentos como os de roupas femininas, calçados e acessórios chegarão a 80%. Sebastião ainda defendeu a reabertura das lojas, para evitar um colapso econômico. ;Não podemos ter um colapso na saúde e na economia. O país vem saindo de várias crises e acredito que não aguenta mais uma;, completou Abritta.

Assista a entrevista completa:
[VIDEO1]

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação