Cidades

Com mais tempo em casa, saiba como evitar acidentes com crianças

Os acidentes domésticos são uma das causas que mais matam crianças no Brasil. Com o isolamento social e muita gente por mais tempo em casa, os cuidados precisam ser redobrados. Descubra quem são os vilões que moram com sua família e evite tragédias

Erika Manhatys*
postado em 10/05/2020 07:00
Os acidentes domésticos são uma das causas que mais matam crianças no Brasil. Com o isolamento social e muita gente por mais tempo em casa, os cuidados precisam ser redobrados. Descubra quem são os vilões que moram com sua família e evite tragédiasEm tempos de pandemia, ficar em casa sempre que possível é um ato de autopreservação e amor ao próximo. As quatro paredes que cercam o lar mantêm sua família a salvo do coronavírus, mas essa fortaleza também pode estar cheia de armadilhas. Os acidentes domésticos são a maior causa de morte de crianças até 14 anos, segundo o Ministério da Saúde. Em todo o Brasil, cerca de 3,6 mil crianças morrem e outras 111 mil ficam hospitalizadas anualmente por incidentes em casa.

Apesar de serem a maioria, as crianças não são as únicas atingidas pelos descuidos cotidianos. Aproximadamente 30% dos idosos com mais de 65 anos sofrem ao menos uma queda por ano. Para os que têm mais de 80 anos, esse percentual sobe para 50%. Em um quarto dos casos, há a necessidade de internação e metade não sobrevive um ano após o tombo.

Desatenção ou mero acaso, todos estamos suscetíveis a incidentes. Kleber Gonçalves, 26 anos, foi surpreendido durante a quarentena. ;Estava tomando banho quente e, na hora de pegar a toalha que estava em cima do box, a porta de vidro estilhaçou.; Por sorte, Kleber escapou de se ferir gravemente, como diversos casos já relatados com quebra de vidros em geral. ;Eu não cheguei a me machucar com os cacos que caíram na minha frente, mas deu um trabalho enorme para limpar. Ao todo, usei quatro galões de cinco litros para armazenar todo o vidro estilhaçado;, conta o engenheiro.

Olho vivo na cozinha


O lugar mais acolhedor para juntar a família também é o mais perigoso. A cozinha é o cômodo que mais soma acidentes domésticos, mais especificamente, o fogão. Ele pode ser o maior vilão da casa quando ocorrem descuidos. ;O ideal é que restrinja o acesso de crianças menores à cozinha, vale colocar portões que barram a entrada. Queimaduras na porta do forno, nos queimadores e tombo de panelas são acidentes bem comuns;, diz o tenente do Corpo de Bombeiros Militar (CBMDF) Walmir Oliveira.

Mãe de Vicente, 2 anos, Danielle Teodoro é zelosa com o filhote, mas escorrega no próprio cuidado. ;Eu costumo dar umas queimadinhas, porque não tenho tanta habilidade. Desta vez, a queimadura foi um pouco pior e atingiu um pedaço grande do braço. Já com o Vicente, fico de olho o tempo inteiro. Instalamos grades nas pontas da escada e restringimos o acesso dele aos cômodos da casa;, conta.

Além de manter as crianças longe do fogão, atente-se às chamas e a eventuais panelas esquecidas sobre o fogo. ;Se uma panela de óleo flambar, que é pegar fogo, não jogue água para conter as chamas, apenas desligue a chama. Sem a produção de calor, o fogo da panela tende a apagar;, instrui o bombeiro.

Refresco perigoso


Baldes, piscinas e chuveiros também podem ser um risco às crianças desacompanhadas. ;A premissa maior é a supervisão da garotada. Com intuito de poupar, muita gente armazena água da lavagem das roupas em baldes, mas eles são o suficiente para um afogamento. Já prestamos socorro a uma criança que se afogou no vaso sanitário, portanto, todo recipiente com água deve ser mantido longe do acesso infantil. Além das piscinas, nunca deixar criança sozinha por perto;, orienta o tenente.

Para Danielle, a hora do banho requer atenção total. ;Vicente adora tomar banhos demorados, leva os brinquedos para a banheira e passa bastante tempo lá. Nós não descuidamos nem por um minuto quando ele está no banheiro, sabemos que uma fatalidade pode acontecer em questão de alguns segundos;, diz.


Não brinque com fogo


;Se for para salvar muito, arrisque muito. Se for para salvar pouco, não se arrisque;, essa é a orientação do tenente Walmir. ;Em caso de incêndio, valorize a sua vida e de sua família. Só vale enfrentar as chamas se for para resgatar seus filhos ou outra pessoa; se for para buscar algum bem material, não vá;.

Para evitar incidentes desastrosos com fogo, a atenção é a maior aliada. ;Muitos incêndios iniciam por descuido, como esquecer uma panela no fogo, um ferro ligado, velas acesas e até cigarros.; Para o tenente, a vigilância é primordial. ;Não precisa ficar paranoico, mas antes de sair de casa, confira o fogão ou se deixou algum equipamento eletrônico carregando. Atendemos um caso de incêndio porque o rapaz deixou o notebook carregando em cima do sofá e, com o superaquecimento do carregador, o móvel incendiou;, conta o bombeiro.

É importante criar o hábito de monitorar a casa antes de sair. ;Além de olhar o fogão e os equipamentos elétricos, feche as portas de todos os cômodos. A isso damos o nome de compartimentação, transformamos um grande ambiente em várias partes menores e impedimos o avanço do fogo. Feche também as janelas, pois o oxigênio alimenta o fogo;, ensina o tenente Walmir.

* Estagiária sob supervisão de Sibele Negromonte


O que fazer quando o pior acontece?
O tenente Walmir Oliveira, do CBMDF, ensina como ajudar um acidentado até a chegada da equipe de socorro

Choque elétrico
Não tente retirar a pessoa que ainda esteja recebendo a descarga elétrica. Busque o quadro de energia da residência e desligue a chave geral. Só encoste na vítima quando tiver certeza de que não há risco de se acidentar também. Observe se a pessoa está responsiva. Caso não esteja, monitore os sinais vitais até a chegada do socorro.

Cortes e perfurações
Caso haja grande fluxo de sangue, pressionar o local lesionado com um pano limpo até estancar o sangramento ou a chegada do atendimento profissional.

Os acidentes domésticos são uma das causas que mais matam crianças no Brasil. Com o isolamento social e muita gente por mais tempo em casa, os cuidados precisam ser redobrados. Descubra quem são os vilões que moram com sua família e evite tragédias
Engasgamento em menores de 1 ano
Apoiá-los com o dorso virado em seu antebraço e aplicar cinco pressões moderadas no peito. Depois, virá-las com o dorso para cima e dar 5 tapas entre as escápulas. Os movimentos serão alternados e, a cada ciclo, verifique a boca da criança para ver se o objeto obstrutor saiu. Atenção, não aplique força demasiada.

Os acidentes domésticos são uma das causas que mais matam crianças no Brasil. Com o isolamento social e muita gente por mais tempo em casa, os cuidados precisam ser redobrados. Descubra quem são os vilões que moram com sua família e evite tragédias
Engasgamento em maiores de 1 ano
Fazer a Manobra de Heimlich, que consiste em se posicionar atrás da pessoa engasgada e aplicar força com uma das mãos fechada e a outra sobre ela na porção abdominal entre o umbigo e a caixa torácica, com movimento para cima.

Ingestão de produto tóxico
Não é indicado forçar o vômito, pois, a depender da natureza do produto, novas lesões podem se formar com a segunda passagem do agente químico. Nesse caso, chame imediatamente o atendimento especializado.

Perfuração com incrustação do objeto
Se o objeto causador do ferimento estiver agarrado ao corpo, não tente retirá-lo, mesmo que seja pequeno, como no caso de agulhas e cacos. Chame o socorro e espere que um médico faça a remoção, pois a retirada sem técnica e estrutura hospitalar pode piorar a lesão e gerar hemorragias.

Os acidentes domésticos são uma das causas que mais matam crianças no Brasil. Com o isolamento social e muita gente por mais tempo em casa, os cuidados precisam ser redobrados. Descubra quem são os vilões que moram com sua família e evite tragédias
Queimadura com fogo
Se a queimadura for mais superficial, deixe água limpa e fria correr sobre a ferida até o alívio da dor. Não aplique produtos ineficazes, como borra de café, creme dental ou outro que não seja específico para
o tratamento de ferimentos.

Queimadura com produtos líquidos
Retire as roupas atingidas e lave a área com água corrente e fria até aliviar a dor por cerca de 15 a 20 minutos.

Queimadura com produtos em pó
Não lave imediatamente, pois muitos produtos reagem com água, como cal virgem e cimento. Deve-se ;varrer; todo o excesso do produto para proceder com a lavagem em água corrente.

Sufocamento
Pode tentar retirar o produto excedente das vias aéreas. Após isso, leve a pessoa para local arejado e
monitore os sinais vitais.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação