Cidades

Paciente de 83 anos sobrevive à covid

Professora aposentada se recupera da doença ao passar 40 dias internada em hospital do Lago Sul, sendo 20 em unidade de terapia intensiva (UTI). Ao receber alta, na segunda-feira, recebeu homenagens e aplausos da equipe médica que a atendeu

postado em 15/05/2020 04:15
Elinete Miller ficou emocionada ao deixar o hospital por um
Os primeiros sintomas do coronavírus começaram de forma leve em Elinete Miller, 83 anos, e foram aumentando com o passar dos dias. O que eram dor de cabeça e náuseas evoluíram rapidamente para tosse e falta de ar. A professora aposentada logo desconfiou que se tratava de covid-19, mas não imaginava que teria de travar uma batalha entre a vida e a morte. Ontem, ela recebeu alta e deixou o Hospital Brasília, no Lago Sul, sob aplausos.

Elinete sentiu que estava com algum problema de saúde em 23 de março, logo após uma passagem por São Paulo, o epicentro da pandemia de coronavírus no Brasil. No dia 27, em Brasília, a falta de ar tornou-se sufocante, e ela precisou procurar o hospital, onde ficou internada por mais de 40 dias, 20 deles na unidade de terapia intensiva (UTI). ;Eu me agarrava às pessoas, esperando que me salvassem do desespero da falta de ar. Houve momentos em que eu queria desistir de viver;, relembra. ;Felizmente, a equipe medica da UTI, enfermeiras, enfermeiros e técnicos foram dedicados. Sou muito grata a todos;, conta.

Emoção
A professora aposentada relembra que, em um dos momentos mais difíceis, pediu para que a deixassem morrer. ;Disse que eu não queria mais sofrer, mas a enfermeira me respondeu que eu não morreria, que estavam cuidando de mim. Foi, então, que eu reagi;, diz, emocionada. ;Senti muita dor em todo o corpo, dor de cabeça, dor de garganta, ouvido. A falta de ar é uma situação desesperadora;, afirma.

Na segunda-feira, Elinete recebeu alta, ganhou balões verdes, abraços e um ;corredor de aplausos; da equipe médica que atuou na recuperação dela no Hospital Brasília. No vídeo gravado no momento em que a professora deixa a unidade de saúde, é possível ver a emoção da idosa.

A paulista Elinete dedicou-se ao teatro e à docência boa parte da vida. Conta que chegou a Brasília na ditadura militar, queria fazer artes visuais e cinema, mas o governo da época fechou os cursos na cidade. Nos últimos anos, ela morou nos Estados Unidos com o marido, o teólogo americano John Lawrence Miller, com quem construiu a família.

Ainda um pouco cansada após tantos dias de internação, ela diz que a vida não será a mesma após a covid-19. ;A experiência de ficar na UTI e de me libertar do coronavírus fortaleceu o meu compromisso com a vida;, ressalta. Em casa, ela segue em isolamento, por recomendação médica, mas pretende voltar a trabalhar como escritora de peças teatrais. ;Eu gosto muito da vida, gosto de viver, trabalhar, gosto de me sentir útil e de participar da vida em sociedade;, comemora.


Aos 103 anos, ela venceu a covid-19

Em Sergipe, no município de Simão Dias, outra idosa sobreviveu à covid-19. Josefa Maria de Jesus, 103 anos, recebeu alta na terça-feira, sem apresentar sintomas. Ela mora no Povoado Caraíbas de Baixo e foi monitorada pela Secretaria Municipal da Saúde entre 28 de abril e 11 de maio. ;Graças a Deus, graças a Deus;, disse Josefa ao descobrir que estava curada da doença. Com o caso da idosa de 103 anos, Simão Dias registra cinco pessoas recuperadas da covid-19.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação