Publicidade

Correio Braziliense

DF registra mais 2,9 mil ocorrências de dengue e ultrapassa os 30 mil casos

Dados são do último boletim epidemiológico divulgado, nesta sexta-feira (22/5), pela Secretaria de Saúde


postado em 22/05/2020 22:29

DF registra mais de 30 mil casos de dengue (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
DF registra mais de 30 mil casos de dengue (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Os casos de dengue no Distrito Federal ultrapassam os 30 mil.  De acordo com o último balanço divulgado pela Secretaria de Saúde nesta sexta-feira (22/5), até 9 de maio, foram notificados 30.184 ocorrências prováveis da doença. Um aumento de 2.935 casos em uma semana, quando o DF registrou 27.249 pessoas infectadas. Se comparado ao mesmo período do ano anterior, houve um acréscimo de 65,18%. Em 2019, foram 18.273 casos.

Segundo o levantamento da secretaria, houve mais uma morte causada por complicações da doença, totalizando 17 vítimas. O recente óbito ocorreu em Sobradinho I. No ano passado, foram 24 mortes confirmadas. 

As regiões com a maior quantidade de casos é Ceilândia, com 3.733 notificações prováveis, e Gama com 3.549 ocorrências, ambas registram três óbitos. Seguindo por Santa Maria, com 2.695 casos e uma morte e Taguatinga com 2.288 pessoas infectadas e sem registro de vítimas. 

Ações


Com o intuito reduzir a quantidade de casos de dengue, o Governo do Distrito Federal tem feito diversas ações nas regiões com maiores incidências. Foram retiradas carcaças de veículos nas vias, como forma de diminuir o foco do mosquito Aedes aegypti. Carros de fumacê também estão sendo utilizados diariamente. A atenção no tratamento também foi ampliada com a instalação das tendas de hidratação nas Unidades de Pronto Atendimento.

Recentemente, a Secretaria de Saúde adquiriu 38,7 mil testes rápidos para detecção da doença. Para o diretor da Vigilância Ambiental, Edgar Rodrigues, a luta contra a dengue é permanente e diária. “Nós estamos trabalhando e fazendo a nossa parte como vigilância ambiental, em conjunto com vários órgãos do GDF, mas não podemos estar na casa de cada morador, fiscalizando o lixo e os entulhos que as pessoas deixam nas ruas ou terrenos baldios  que podem servir de criadouro para o mosquito. Precisamos continuar atuando como protagonista, mas necessitamos contar com a participação da população”, ressalta. 

Atenção

Saiba quais cuidados tomar para evitar a doença e a proliferação do mosquito transmissor:

» Evite água parada
» Tampe baldes, caixas d’água e tonéis
» Deixe garrafas viradas para baixo e mantenha lixeiras sempre tampadas
» Coloque areia nos pratos de vasos de plantas
» Mantenha ralos e calhas sempre limpos
» Use repelente
» Acione a Vigilância Ambiental, o SLU ou a Novacap caso suspeite que um local seja potencial foco do mosquito

Fonte: Secretaria de Saúde

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade