Cidades

Festas juninas terão shows on-line e delivery de comidas típicas

Shows on-line, delivery de comidas típicas e concursos de trajes típicos marcam a festa junina deste ano. Apresentação física de quadrilhas é adiada para setembro

Erika Manhatys*, Jonathan Luiz*
postado em 23/05/2020 07:00
 (foto:  Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)
O coreógrafo Willy Costa, com parte dos integrantes da Quadrilha Arroxa o Nó: trabalho durante todo o anoUma das épocas mais esperadas do ano se aproxima e nem mesmo o isolamento social deixará de aquecer os corações dos moradores da capital. Os brasilienses têm relação afetiva com as festas juninas, mas a pandemia da covid-19 representa um golpe complicado para os que celebram. Para tentar driblar as complicações e poder aproveitar as danças, as comidas típicas e todas as brincadeiras desse período do ano, paróquias se mobilizam na organização do arraiá para levar o divertimento dos que não abrem mão do festejo, mesmo dentro de casa.

Pioneira em abrir a temporada do festejo em Brasília, a Paróquia Nossa Senhora do Lago (PNSL) vai lançar a primeira festa junina on-line. Por meio da plataforma Acesso Ingresso, os interessados vão poder se inscrever de forma gratuita e, em 7 de junho, a partir das 19h, poderão aproveitar missa, show de forró, concursos de traje caipira, comes e bebes, bingo e toda a alegria da Festa Junina em Casa.

O pároco e presidente da Associação Cristã do Lago Norte, Norbey Londoño, coordena a festa junina da PNSL há 25 anos. Ele detalha como estão as novas adaptações devido à pandemia. ;Estamos sempre procurando atender à comunidade, não deixar de prestar este serviço e levar alegria para o povo. Neste ano, por conta da pandemia e do isolamento social, decidimos fazer a festa junina on-line. Nossa pretensão é de que todas as pessoas fiquem em casa, e nós apresentamos os shows e as atividades;, ressalta.

O evento vai contar com missa virtual, show com a Norbey;s Band, sorteios, bênção dos padres, concursos de trajes com fotos enviadas pelo público de casa, na categoria casal, traje infantil com caracterização caipira, comidas típicas, que serão entregues por delivery, em todas as regiões do DF, pelos restaurantes e chefs parceiros do projeto.

A chef Ana Claudia Morale, uma das responsáveis em elaborar os pratos, diz que está preparando canjica, galinhada, carreteiro, um cardápio bem variado. ;Pode esperar uma comida saborosa, feita com muito carinho para esse evento tão especial. E todo mundo pode ter certeza: vai ter festa junina, sim. Estamos desenvolvendo tudo para levar para a casa dos comensais o melhor das comemorações juninas;, salienta a chef.

Plataforma on-line


Para participar da festividade, é preciso se cadastrar no site do Acesso Ingresso até o horário de início do evento. O CEO da plataforma, Frederico Barros, conta que pessoas do mundo inteiro podem acompanhar a atração. ;Já registramos inscrição do Reino Unido e de Portugal, além da capital e de alguns estados do Brasil.; Além disso, Frederico afirma que fez parcerias com diversos restaurantes, o que possibilita a entrega dos pratos por todo o DF.

;O sabor e o calor da festa junina são o que queremos levar para as pessoas que estão na quarentena, uma corrente do bem. Com o evento, vamos conseguir movimentar o comércio, doações e, também, a alegria, com entretenimento das famílias.;

O concurso de melhor traje junino e de família mais animada vai ser feito por meio do Instagram da plataforma. ;As pessoas enviarão as fotos e os vídeos e colocaremos a hashtag, iremos administrando. Os que conseguirem o maior número de votos vence, e vai receber os prêmios;, explica Frederico.

Quem também investe na proximidade com o público pela internet é a quadrilha Arroxa o Nó, do Paranoá. O grupo preparou uma série de conteúdos para manter viva a chama do festejo. ;Com a pandemia, fizemos uma adaptação e colocamos nossas atividades todas nas redes sociais. São lives, apresentações, tudo pela internet. A próxima vai ser em 2 de junho, uma live em nosso Instagram com entrevista e oficina de corte e costura;, conta o presidente Wagner Lima.

O coreógrafo da Arroxa o Nó, Willy Costa, ressalta a importância de prosseguir com uma agenda virtual. ;Nosso trabalho é efêmero e, quando não se materializa, se esvai. Então, para perpetuar o espírito do movimento junino, nós fazemos transmissões competitivas, publicamos conteúdo e estamos preparando uma live no YouTube para todo mundo assistir à nossa banda Forró Arroxado. Assim, cada um na sua casa mata a saudade do são joão.;

O mundo simples do campo e das tradições sertanejas que é retratado nas festas juninas esconde um processo complexo. ;O trabalho é como no carnaval, o que apresentamos em uma edição foi pensado há um ano. Nós já tínhamos todo o planejamento concretizado e estávamos partindo para a produção de figurino, cenário e arranjo com a banda;, conta Willy.

Todo o trabalho de meses de escolha do tema, de pesquisa e preparação da equipe, que pode chegar a mais de 200 participantes, não será dispensado. A Quadrilha Arroxa o Nó participará das apresentações adiadas. ;Não será desperdiçado, vamos apresentar quando tiver o calendário do circuito. Eu me arrisco a dizer que o movimento junino de Brasília é o maior movimento cultural de todo o Brasil, e isso não pode passar em vão;, diz o coreógrafo. E ressalta: ;É um trabalho muito sério. Eu também sou ator e reservo metade do meu ano para me dedicar somente à festa junina, e até que a pandemia acabe, vamos conservar a cultura mesmo que pela internet;.

O show não pode parar

O mês é todo dos padroeiros São João, São Pedro e Santo Antônio, mas quem promete que vai ter festa é a Confederação Nacional das Quadrilhas Juninas (Conaqj). Portanto, os festeiros que dizem aguardar a ;melhor época do ano; não precisam ficar tão tristes. ;As apresentações só foram adiadas, estão programadas para ocorrer a partir de setembro. Não será no esquema de competição, mas pretendemos levar a cultura junina às ruas, às escolas, às igrejas, às comunidades de cada quadrilha;, diz o presidente Hamilton Teixeira, o Tatu.

Até lá, as comemorações serão mediadas pelas redes sociais. E, neste meio tempo, Tatu também dá um show de solidariedade. Além de presidente da Conaqj, é líder da Quadrilha Pau Melado, de Samambaia. O grupo mantém uma instituição beneficente, a Amigos do Bem. Lá, cerca de 900 jovens da região estão inseridos em uma das 12 atividades que são ofertadas nas mais diversas frentes de ação: música, cultura, atividades sociais, lazer e esporte.

;Nós acolhemos jovens em situação de vulnerabilidade social. Agora, com o período junino se aproximando e com a situação da pandemia, lançamos uma campanha de doação de alimentos. Começamos com cinco cestas às famílias dos participantes da quadrilha, aumentamos e chegamos à marca de 6 toneladas de alimentos, que estão sendo distribuídas na nossa região;, conta Tatu.

Na ação, os jovens voluntários do grupo de dança se vestiram com os trajes de seus personagens e levaram alimento para o corpo e para a alma dos beneficiados. ;Pensamos que a doação é muito importante para a família como um todo, mas as crianças não entendem aquilo. Então, já que não tem festa junina agora, levamos um pouquinho disso à casa das pessoas, para alegrar a criançada;, ressalta o presidente.

Aguardando a nova chamada para as festas fora de época está Matheus Dantas, 24 anos, dançarino da Quadrilha Busca Fé, representante de Taguatinga. ;Estou inserido no movimento junino há seis anos, meu grupo está no top 5 de Brasília. Na verdade, descansamos dois meses por ano, porque, quando não estamos ensaiando efetivamente, desenvolvemos toda a apresentação com cenários, figurinos. Mas estamos confiantes de que toda essa situação vai passar e temos a expectativa do festival em setembro, não como competição, mas para mostrar o trabalho;, diz.

Programe-se

Paróquia de Brasília realiza primeira festa junina on-line
Data: 7 de junho, às 19h ; Valor: gratuito
Registro: www.acessoingresso.com.br ; Rede social: @acessoingresso

Outras celebrações

Paróquia São Pedro de Alcântara
Data: 30 de maio, das 11h às 14h, e das 18h às 21h
O eventro: drive-thru de canjica, arroz carreteiro e milho
Local: EQI 7/9 Lago Sul

Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe
Data: 6 de junho, das 14h30 às 18h
O evento: drive-thru da tradicional canjica da Guadá
Local: 311/312 Sul (pedidos antecipados pelo WhatsApp 9 8133-1095)

Arraiá no Nosso Lar
Data: até 30 de maio, das 10h às 13h
O evento: delivery de comidas típicas
(pedidos pelo WhatsApp 9 8483-6854)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação